Liberada Aleppo, derrotar o imperialismo em Raqqa, Mosul, Iêmen e Ucrânia!

Leave a comment

08/12/2016 by socialistfight

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

SÍRIA – DERROTA IMPERIALISTA EM ALEPPO

 Liberada Aleppo, derrotar o imperialismo

em Raqqa, Mosul, Iêmen e Ucrânia!

Declaração do Comitê de Ligação pela IV Internacional, CLQI

Libertação de Aleppo pelas tropas Síras,
apoiadas pelo Irã, Rússia e Hezbollah

Em todo o Oriente Médio acontece agora uma complexa série de lutas centradas em Aleppo e Raqqa (Síria), Mosul (Iraque) e no Iêmen, nas quais o imperialismo norte-americano está procurando desesperadamente manobrar apoiando-se em vários governos tíeres e forças jihadistas para alcançar seus objetivos estratégicos.

Outras áreas de conflito, como a Ucrânia, refletem esses objetivos também. Estes objetivos são a mudança de regime e a dissolução do Estado na Síria e no Irã e a derrota das forças rebeldes no Donbass, tendo atingido estes objetivos Afeganistão, Líbia e Iraque, a fim de passar para a mudança de regime e a divisão da Rússia e da China.

Os vários Estados aliados e agentes do imperialismo na região também estão manobrando entre si para serem os agentes centrais do imperialismo estadunidense em sua própria área e em toda a região.

Rejeitamos absolutamente a concepção de que existam duas potências rivais do imperialismo, o imperialismo ocidental, os EUA e seus aliados; e um “imperialismo oriental”, que supostamente seriam a China e a Rússia, lutando pelos seus interesses econômicos e políticos na região. Rússia e China não são potências imperialistas, mas também estão lutando para se estabelecer como aliados mais favoráveis do imperialismo dos EUA no Oriente Médio e globalmente. [1] Existe um poder hegemônico global, os EUA e as outras potências imperialistas permanecem subordinados a isso, voluntariamente, como com a Grã-Bretanha ou, contra vontade, como os Estados europeus e outros, a Alemanha e a França, em particular. Como o stalinismo na URSS e na China no passado e as forças stalinistas atuais, esses regimes e milícias nacionalistas burgueses não têm absolutamente nenhuma perspectiva para ajudar a classe trabalhadora desses grandes centros metropolitanos, EUA, a Europa, o Japão, etc. a luta pela derrota do imperialismo no sentido de derrubá-lo em seu próprio país. Só Lênin e os bolcheviques tiveram tal perspectiva no passado na grande Revolução Russa. Hoje, somente o trotskismo revolucionário mantém e luta por essa perspectiva hoje. Não há como substituir a luta por essa perspectiva e não há nenhuma força que possa realizá-la em seu lugar.

A zona leste de Aleppo foi liberada do terror plantado pelo imperialismo


Bandeiras da guerrilha curda (YPG), ladeadas por bandeiras
da Síria pela primeira vez em Aleppo – a imagem é de
Bustan al-Basha, que o YPG curdo ocupada no início do dia

Vamos examinar cada conflito na região e na Ucrânia para mostrar como ele está em conformidade com essa perspectiva, em primeiro lugar com a luta no leste de Aleppo. As forças jihadistas na zona leste de Aleppo sofreram sua maior derrota desde 2012. O Exército Sírio de Assad (SAA) e seus aliados iranianos em um movimento de pinças com o PYD / YPG curdo cortaram o território controlado pelos rebeldes em dois, tomando pelo avanço terrestre cerca de 50% da região antes dominada pelos mercenários com o bombardeio realizado pelas forças aéreas russas e sírias.

No sábado 26 tomaram o bairro de Hanano e na segunda-feira o distrito de Sakhour caiu para o assalto conjunto do SAA e do PYD / YPG. Em uma expressão da nova aliança entre o SAA e o PYD / YPG, eles juntaram as bandeiras do Estado da Síria e das guerrilhas curdas pela primeira vez em cima do edifício em Bustan al-Pacha e controlam em conjunto alguns locais em Bustan al-Basha, al-Halek e Ayn al-Tell.

O SAA também avançou contra a coalizão militante liderada pela Turquia ao leste da cidade de Aleppo e capturou as vilas de Mazrat e Azraq no dia 29, abrindo a estrada para Al-Bab, uma cidade 40 quilômetros a nordeste de Aleppo. A Força Aérea da Síria teria atingido as forças do Exército Livre Sírio (FSA), apoiadas pelos turcos, que estão lutando contra o PYD / YPG a leste de al-Bab. A recusa dos EUA em apoiar o seus antigos aliados (as guerrilhas curdas PYD / YPG) contra a invasão de Erdoğan, em 24 de agosto, e sua instrução para que eles se mudassem para o leste do Eufrates para impedir que eles se ligassem ao cantão curdo em torno de Afrin afastou os curdos dos EUA. Essas forças curdas compreendem agora que, para os EUA, a Turquia é o aliado mais importante que eles, e que os Estados Unidos devem tentar salvar as relações com Ankara de uma aproximação maior com a Rússia e o Irã. Daí a aproximação de PYD / YPG com Assad e Rússia. [2] [3]

Enquanto isso, “The Independent” informou em 1 de dezembro que Erdoğan havia esclarecido sua posição sobre a razão da invasão da Síria pela Turquia em agosto, dizendo que a Turquia não tinha “interesse no território sírio, estamos aqui para trazer justiça. Estamos aqui para acabar com a lei do cruel Assad, que tem espalhado o terror de Estado”. Erdoğan manifestou raiva pela morte de três soldados turcos por ataques da aviação síria durante a aventureira invasão ordenada por ele no território sírio, prometeu ajudar os EUA a expulsar Assad em troca dos EUA terem deixado de apoiar os curdos PYD / YPG. As seções do CLQI defendem a autodeterminação de todos os curdos em seu próprio estado do Curdistão, apesar da traição pró-imperialista de suas direções [4]. Em nenhum momento Erdoğan lutou batalhas reais contra o ISIS, e agora mais ainda apaziguar suas relações com os mercenários fundamentalistas. Os lados em disputa estão claramente sendo redesenhados no norte da Síria. A Rússia está indignada com esta mudança, informou “The Independent”, e exigiram uma explicação: “É uma declaração muito séria e diferente das anteriores e com a nossa compreensão da situação. Esperamos que os nossos parceiros turcos nos deem algum tipo de justificativa para isso.” A Turquia tem sido um dos principais apoiantes da FSA, nos diz o “The Independent”. Mas, um telefonema de Putin arrancou de Erdoğan um recuo humilhante:

“O objetivo da Operação ‘Eufrates Shield’ não é um país ou pessoa, mas apenas organizações terroristas. Ninguém deve duvidar daquela questão que nós proferimos repetidamente, e ninguém deve comentá-la de outra maneira ou tentar [deturpar seu significado]. “[5]

Os meios de comunicação de massa, todos os políticos imperialistas e a esquerda pró-imperialista choraram lágrimas de sangue pelo sofrimento terrível dos civis na zona leste de Aleppo. França e Grã-Bretanha exigiram uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas. O ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Marc Ayrault, disse que as forças do governo sírio e seus aliados não resolveriam o conflito sírio realizando um dos “maiores massacres em uma população civil desde a Segunda Guerra Mundial”. Ayrault falava em Minsk, capital da Bielorrússia, antes de uma reunião de delegados russos, alemães e ucranianos para discutir a crise ucraniana, o outro grande conflito que põe a Rússia contra o Ocidente. Significativamente, nem a Grã-Bretanha nem os EUA foram convidados a esta reunião, mostrando tanto as tentativas crescentes do imperialismo franco / alemão para forjar suas próprias relações internacionais, independentemente do imperialismo anglo-americano e de sua contínua aliança entre o dinheiro e o poder de fogo, real ou potencial, dos EUA na exploração do mundo semi-colonial.

As lágrimas desses representantes da classe dominante para a crise humanitária que se desenrola em Aleppo são, naturalmente, lágrimas pela derrota do ISIS e outros agentes pró-imperialistas na zona leste de Aleppo. Segundo o imperialismo e sua mídia nós deveríamos acreditar que na Síria, Assad e os russos estão deliberadamente atacando civis, escolas e hospitais enquanto realizam o cerco ao ISIS, enquanto no Iraque, simultaneamente no cerco atual do imperialismo a Mosul é esse mesmo ISIS que está usando a população civil como escudo humano e qualquer vítima civil da guerra é um “dano colateral”, completamente acidental e a culpa agora é do ISIS. A maioria do público em geral não conseguirá detectar essa grosseira hipocrisia, mas é imperdoável que também a esquerda politicamente educada finja não notar e repeta essa propaganda de guerra pró-imperialista.

Quem eram as forças militares ocupantes da Zona Leste de Aleppo?

O ISIS não é o único grupo “rebelde” sanguinário,
no vídeo, mercenários da CIA na Síria, do grupo
“moderado” Movimento Nour al-Din al-Zinki decapitando
um garoto palestino Abdullah Issa, de 12 anos, acusado
de ser um combatente pró-Assad

De acordo com a Anistia Internacional existem cinco grupos principais jihadistas defendendo Aleppo e Idleb desde 2012; A Al-Shamia, o Movimento Nour al-Din al-Zenki e a “Divisão 16” em Aleppo, todos eles se juntaram à coalizão de grupos armados que conquistaram Aleppo em 2015, Jabhat Fateh al-Sham (anteriormente Jabhat al-Nusra) e Ahrar Al-Sham, em Idleb, que se juntaram à coalizão do Exército da Conquista de grupos armados nesse mesmo ano. Basta observar a formação do comando conjunto da coalizão que conquistou Aleppo para se convencer de que esses grupos não são nem de longe “moderados”, como busca fazer crer a mídia imperialista de que a violência radical é uma exclusividade do ISIS. Eles são financiados pelos EUA ou seus aliados na região, Arábia Saudita, Turquia, Qatar, Jordânia e Paquistão, dependendo de qual marca particular de fundamentalismo abraçam. Todos eles reivindicam o estabelecimento de um estado islâmico e a adoção da lei Sharia e, em um grau ou outro, a morte de apóstatas; Muçulmanos xiitas, cristãos e muçulmanos sunitas que apoiam Assad, incluindo as crianças.

O movimento Nour al-Din al-Zenki foi noticiado em julho para esta atrocidade:

“Um vídeo que circula nas mídias sociais parece mostrar rebeldes sírios decapitando um garoto palestino acusado de ser um combatente pró-governo. O vídeo, publicado on-line na terça-feira, mostra um grupo de homens na parte de trás de um caminhão cortando a cabeça do menino aterrorizado. Antes do horrível assassinato, os homens acusam o menino de ser membro da brigada Liwa al-Quds, um grupo armado palestino lutando ao lado do governo do presidente sírio, Bashar al-Assad. A brigada de Jerusalém publicou uma declaração na sua página oficial no Facebook na quarta-feira, identificando o menino como Abdullah Issa, de 12 anos, que eles disseram não ser um combatente.”Ao dar uma olhada na criança – o argumento de que ele era um combatente é imediatamente desmontado”, disse o grupo.
Os rebeldes foram identificados como membros do Movimento Nour al-Din al-Zinki. Na terça-feira, o movimento publicou um comunicado de imprensa em sua página do Twitter condenando o assassinato do menino e chamando a decapitação de um “erro individual que não representa a política geral do movimento”. Os Estados Unidos, que anteriormente forneceram apoio militar ao Movimento Nour al-Din al-Zinki, disseram que estavam “buscando mais informações” e que não puderam confirmar o “relatório terrível” numa entrevista à imprensa na terça-feira. “Se pudermos provar que isso foi realmente o que aconteceu e este grupo estava envolvido nisso, eu acho que certamente nos daria uma pausa”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Mark Toner, a jornalistas, depois de terem perguntado se esse incidente afetaria a assistência dos EUA a este grupo específico.
O grupo de vigilância do Observatório Sírio para os Direitos Humanos do Reino Unido disse que o vídeo mostra combates de facções rebeldes “matando um menino membro dos atiradores leais ao regime”. “O menino foi capturado durante os confrontos no acampamento de Handarat esta manhã,” reportou o Observatório.” [6]

No VÍDEO, o mesmo fotógrafo que fez essa imagem, da
criança síria Omran, de aproximadamente 5 anos, resgatada
de escombros viralizada pela mídia imperialista com “a
verdadeira face da guerra síria”, para justificar a “intervenção
humanitária” contra Assad aparece tirando selfies junto com os
que degolaram friamente a criança palestina Abdullah Issa, de 12 anos
Fotógrafo jihadista da criança ‘Omran’ é vinculado
aos que decapitaram a criança Abdullah Issa

Apologistas desses monstros ainda argumentam que ele tinha 12 e não 10 anos como originalmente havia sido divulgado e que ele era realmente um combatente de 19 anos de idade com uma doença de deficiência de crescimento. Você pode julgar a partir da fotografia. O Observatório Sírio para os Direitos Humanos é um grupo anti-Assad pró-imperialista baseado no Reino Unido que deveria ter algum rigor com relação a verdade para ganhar qualquer credibilidade. Sem dúvida, Nour al-Din al-Zinki não sofrerá qualquer perda de financiamento; A CIA só tem de pedir aos sauditas que assumam o controle para preservar algum grau de negação em sua campanha pela “democracia e justiça” na Síria.

Um relatório da Anistia Internacional divulgado em 5 de julho de 2016 detalhou mais barbarismos pelos jihadistas.

“As forças governamentais têm sido responsáveis pela maioria das violações, incluindo crimes de guerra e crimes contra a humanidade, sujeitando dezenas de milhares a detenção arbitrária, tortura e outros maus-tratos e desaparecimentos forçados”.

Apesar de gastar quase todos os seus esforços para construir essa realidade, a AI é forçada a admitir que:

“Grupos armados que se opõem ao governo sírio cometeram violações graves do direito internacional humanitário, incluindo abduções, tortura e homicídios sumários”.

E eles continuam a fornecer os detalhes horripilantes para Aleppo e Idleb:

O sequestro de jornalistas, advogados e ativistas parece ter aumentado desde 2014, quando grupos armados, em particular Jabhat al-Nusra, demonstraram intolerância à liberdade de expressão ou protestos em áreas sob seu controle. “Saed”, um ativista em Idleb, disse à Anistia Internacional:

“Os ataques aéreos do governo sírio sobre Idleb nos impediram de protestar. Vimos o acordo de cessar-fogo [implementado em 27 de fevereiro de 2016] como uma oportunidade para protestar. Ficamos felizes em cantar canções revolucionárias novamente, mas pouco sabemos que Jabhat al-Nusra iria reprimir os manifestantes. O protesto durou uma hora antes de os combatentes de Jabhat al-Nusra dispersarem violentamente os manifestantes, rasgaram as bandeiras revolucionárias e prenderam os cinco ativistas. Não sabíamos onde estavam por mais de 24 horas.”

Advogados em Aleppo que se pronunciaram contra o uso da tortura em locais de detenção e criticaram “tribunais” dirigidos por grupos armados foram raptados ou ameaçados de seqüestro em alguns casos. Esses “tribunais” haviam sido estabelecidos por grupos armados como parte de “sistemas de justiça” improvisados nos bairros, cidades e cidades que tomaram nas províncias de Alepo e Idleb. Eles aplicaram suas próprias interpretações da Shari’a (lei islâmica) para governar todos os aspectos da vida pública e privada e nomeraram os juízes, muitos dos quais não tinham experiência prática de aplicar a Shari’a. Em Idleb, alguns grupos, como Jabhat al-Nusra e o Movimento Islâmico Ahrar al-Sham, impuseram uma interpretação estrita da Shari’a e impuseram medidas punitivas sobre infrações percebidas. [7]

Allepo seria o embrião do Estado que governaria toda a Syria se esta suposta “revolução” triunfasse. Vale a pena notar que os combatentes shabiha são milícias pró-Assad que são principalmente alauitas no sul da Síria, mas em Aleppo e Idleb são “inteiramente composto das tribos sunitas pró-Assad locais como al-Berri, al-Baggara, al-Hasasne e Al-Zeido. Na cidade de Aleppo foi liderada por uma poderosa tribo al-Berri árabe sunita”, segundo a Wikipedia. Isso deve ser suficiente para demonstrar que a guerra civil síria não é xiita contra sunita, mas na realidade, uma tentativa dos EUA de impor um regime pró-imperialista muito mais flexível na Síria.

Os cerco de Mosul e Raqqa e anti-imperialismo
Agora a corda aperta em torno de Mosul e as forças envolvidas lá são ainda mais complexas, mas nós insistimos que estas guerras conflitantes dentro das guerras são principalmente motivados por disputas entre forças leais aos EUA; para se tornar seus principais agentes locais. Defendemos uma Frente Única Anti-imperialista com aqueles que estão lutando para assegurar minimamente pelo menos em alguma medida sua soberania nacional e autodeterminação contra o impulso do imperialismo global dominado pelos EUA para instalar regimes de fantoches e quebrar o Estado na região. Damos apoio incondicional, mas crítico, a Assad e seus apoiadores russos em Aleppo e somos pela derrota do ISIS e das forças jihadistas patrocinadas pelos imperialistas dos EUA e seus aliados turcos e do Golfo como a única maneira de defender o que resta da soberania nacional na Síria. O mesmo princípio se aplica a Mosul, Raqqa, Iêmen e Ucrânia.

Por isso, damos apoio incondicional mas crítico aos defensores sunitas de Mosul e aqueles que estão lutando agora por alguma medida de soberania iraquiana e estão prontos para se livrar de seus opressores do ISIS também. A reforma de um Estado secular iraquiano sunita / xiita é contra os objetivos do imperialismo global dominado pelos EUA na região. Esses objetivos estão agora para delinear um Estado vassalo através da fronteira Sykes-Picot britânica / francesa / tsarista de 1916 da Síria e do Iraque. Os bolcheviques revelaram o traiçoeiro acordo secreto em novembro de 1917 e o historiador Peter Mansfield observou que “os britânicos estavam envergonhados, os árabes desanimados e os turcos satisfeitos”. Há muita ênfase no “mal histórico” causado por esse acordo agora, a fim de preparar a criação de um novo estado fantoche que atravesse a fronteira Síria / Iraque. Nossa linha política na região é opor-se a isso por todos os meios e para apoiar as forças que estão ou podem começar a se opor a esse plano imperialista, ainda que temporariamente ou de forma inadequada. E isso significa o exército iraquiano e seus aliados iranianos em qualquer conflito militar futuro entre eles e as forças turcas / Peshmerga.

Atualmente, os EUA estão apoiando todos os lados sitiando Mosul além da Turquia. Mas a Turquia está aliada à Peshmerga e possui 150.000 forças militares com laços particularmente fortes para a divisão de Barzani. Lembre-se da zona de exclusão aérea curda imposta pelos EUA após a Guerra do Golfo de 1991 consolidou os governos pró-imperialistas curdos na região. A Turquia acumulou tanques na fronteira com o Iraque, ameaçando uma invasão em grande escala se as milícias xiitas começarem a limpar étnicamente a cidade turca sunita de Afar, parte do antigo império otomano, cuja queda é agora iminente. E a invasão da Turquia se encaixaria bem com o objetivo norte-americano de criação de um Estado fantoche muçulmano sunita em torno de Mosul e Raqqa. E esse também é o projeto de Erdoğan em invadir a Síria, quando deixou escapar a raiva sobre o assassinato de seus soldados pela força aérea da Síria ao leste de al-Bab. Por enquanto, o Iraque e o Irã estão atirando com o apoio dos EUA, mas, como sempre, os EUA não têm aliados permanentes, apenas interesses permanentes, o que pode mudar após a derrota do ISIS.

Curdos

As forças envolvidas no cerco de Mosul são o Exército iraquiano e as suas milícias xiitas pró-iranianas aliadas, as Unidades de Mobilização Popular (PMU) ou ‘Hashd al-Sha’abi’, os IRGC iranianos estão a ajudar o exército iraquiano do Primeiro Ministro Haider al Abadi e suas milícias. As forças da Peshmerga curda do Curdistão iraquiano são divididas internamente entre aquelas milícias leais ao Partido Democrático do Curdistão de Masoud Barzani e aqueles leais à União Patriótica do Curdistão (PUK) de Jalal Talabani. Eles mantêm comandos separados embora ambos sejam nominalmente leais ao Presidente do Governo Regional do Curdistão (KRG), que é Barzani. Mas as tensões nunca se mantém muito abaixo da superfície. O Partido dos Trabalhadores Turcos (PKK) está localizado no sudoeste do Curdistão iraquiano nas montanhas ao norte de Sinjar.

O PKK tentou proteger os curdos Yazidi em Sinjar depois que o ISIS atacou em 2014 e o KDP Peshmerga fugiu diante deles. Milhares de Yazidis foram mortos e mulheres seqüestradas como escravas sexuais pelo ISIS. Agora, o PKK está alojado, tendo desempenhado um papel importante na libertação desta região das garras do ISIS. Barzani e Erdoğan exigiram que o PKK deixe Sinjar. Hemin Hawrami, chefe do escritório de Relações Exteriores do KDP, disse que o PKK deve se retirar de Sinjar; “Onde quer que haja um vazio de poder, o PKK aproveita isso e é o que fez na Síria, em Qandil e em outras áreas”, disse Hawrami, o PKK não tem direito de se instalar ou ficar na cidade libertada de Sinjar, Peshmerga, a presença do PKK lá “ilegal e subversiva”.

Erdogan disse que não permitiria que Sinjar se tornasse um “centro de terrorismo”. “Eles querem lançar ataques contra nós das Montanhas Sinjar. Não vamos deixar isso acontecer. Vamos levá-los a conta por isso “. [8].

Ao mesmo tempo, o Irã está acusando Barzani de colaborar com a Arábia Saudita para fornecer aos curdos iranianos, a única população curda que é maioria xiita, com armas e equipamentos:

O chefe do departamento de relações internacionais do governo regional do Curdistão do Iraque, Falah Mustafa, rejeitou na segunda-feira novas acusações iranianas de que o KRG supostamente forneceu equipamentos curdos do Irã com equipamentos militares em colaboração com a Arábia Saudita “.

O PKK está politicamente perto das milícias Peshmerga de Talabani, tendo lutado do mesmo lado durante a guerra civil curda de 1994 a 1998. A Turquia apoiou Barzani naquela guerra civil e agora tem tropas localizadas no território dominado pelas forças de Barzani. O Irã apoiou Barzani até 1995 e mudou de lado para Talabani. Os EUA apoiaram Talabani desde 1996. A Turquia bombardeou os campos do PKK várias vezes desde o fim do cessar-fogo com Öcalan em meados de 2015. Os iraquianos reclamam que a Turquia invadiu seu país, mas a Turquia se recusa a partir porque dizem que Mosul é Muçulmana sunita e eles querem garantir que não seja etnicamente purificado pelas milícias xiitas que fizeram isso em Ramadi em fevereiro de 2016 e em Fallujah em junho de 2016. Eles não poderiam hospedar mais um milhão de refugiados sunitas fugindo de Mosul das milícias xiitas.

É claro que a Turquia também está lá para atacar o PKK, que poderia esperar ajuda das forças de Talabani Peshmerga que poderiam se dividir nesse caso. Houve rumores de que o PKK estreitou laços com o exército iraquiano para uma aliança com eles contra a Turquia. Depois que a guerra civil terminou em 1998, os EUA armaram ambas as milícias Peshmerga e depois da queda de Saddam em 2003 Barzani tornou-se presidente do KRG iraquiano e do presidente Talabani do Iraque. Assim, a queda de Mosul pode levar a uma outra batalha pelo controle da cidade entre o Iraque e a Turquia, com o Irã se parando com o Iraque e as forças de Peshmerga se dividindo entre os dois. A Turquia tem uma reivindicação histórica para a cidade como parte do império otomano roubado deles pelo Iraque com a assistência dos britânicos.

Iêmen

A guerra no Iêmen complica ainda mais as tensões entre o Irã e a Arábia Saudita. É claro que a Arábia Saudita, com o apoio dos EUA e da Grã-Bretanha, quer derrotar os rebeldes xiitas Hutli, que são apoiados pelo Irã e pelo Hezbollah. Os EUA querem restaurar o regime de Abdrabbuh Mansur al-Hadi, instalado em 2012 pelos sauditas após o levante inspirado pela Primavera Árabe na Tunísia e no Egito em 2011, que derrubou o presidente Saleh. A Arábia Saudita seria inevitavelmente atraída por uma guerra pós-ISIS ao lado da Turquia e os EUA e a Rússia seriam forçados a apoiar o Irã e o Iraque por um período, mas devemos lembrar que historicamente, dentre essas nações citadas, a principal aliada dos EUA nesta região é a Turquia.

Síria – Raqqa

E outras complicações cercam o cerco impeditivo de Raqqa, a capital do califado ISIS na Síria. Os EUA estão usando o YPG curdo para tentar o cerco, mas a Turquia está muito infeliz com este projeto. Aliado a isto está o fato de que Raqqa está muito longe de qualquer estimativa razoável de território curdo legítimo e os habitantes de Raqqa será muito pouco provável para recebê-los como libertadores, dado o conhecimento de como outras aldeias árabes foram brutalmente etnicamente limpos pelo YPG no passado recente. The Guardian relatou em outubro:

“O chefe da Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, reuniu-se em Paris com seus colegas na coalizão anti-Isis, e prometeu que as forças iraquianas, os aliados sírios e curdos e tropas americanas de operações especiais poderiam tirar o ISIS das cidades iraquianas e sírias praticamente simultaneamente. ‘Planejamos para isso, e temos os recursos para ambos’, disse Carter à NBC News no início da quarta-feira, dizendo que um ataque a Raqqa começaria ‘nas próximas semanas’”. [10]

Isso pode vir a ser um embuste de Ash Carter; a Turquia se opõe firmemente e falou a verdade quando com raiva disse que tinha ido a Síria para derrubar Assad após a perda de seus soldados a leste de al-Bab, depois que a queda da Zona leste de Aleppo se tornou inevitável. E Erdoğan certamente iria lutar contra as tropas iraquianas tentando tomar Raqqa. Assad, seu Hezbollah e aliados iranianos e a força aérea russa podem agora chegar lá primeiro e é o que nós apoiamos. Outra guerra dentro de uma guerra, ou na realidade a mesma que se desenrola em Mosul, está ameaçando aqui também.

Ucrânia – Dombass

No conflito na Ucrânia é cada vez mais claro que Putin está preparado para vender o Donbass em troca de um compromisso com os EUA, e em particular, o imperialismo da UE. Nota-se isso porque na Reunião internacional de Minsk sobre o conflito, apenas compareceram as delegações da França, Alemanha, Russia e Ucrânia. Não havia delegados dos EUA ou britânicos presentes.

Trump X China

Debilitado e perdendo espaço estratégico, como no Oriente Médio com a derrota de seus mercenários em Aleppo, o imperialismo governado por Trump tentará dividir os seus inimigos. Por isso, mesmo antes de tomar posse, Trump, representante dos empresários colide mais com a China que com a Rússia. EUA e China possuem muitos mais laços economicos do que EUA e Rússia. Por isso mesmo, o governo organicamente empresarial de Trump se preocupa em obter mais lucros na sociedade diminuindo os lucros da China.

Trump e Israel

força aérea de Israel ataca aeroporto de
Damasco um dia após a liberação de Aleppo

No Oriente Médio, Israel receberá carta branca de Trump para tomar qualquer iniciativa ofensiva como demonstração de força, a começar, pela conversão de Jerusalém como capital do Estado de Israel, pela tomada de mais território palestino através da expansão das colônias sionistas. Da parte da Casa Branca, Trump deve anular os acordos de obama com o Irã e apoiar a política belicista de Israel em relação ao país persa. A fração sionista do imperialismo tende a ganhar força na era Trump.

A luta contra o sionismo e contra o imperialismo ganha um novo ânimo em toda o Oriente Médio. As burguesias nacionalistas síria, palestina, iraniana e russa e sua frente única militar são incapazes de levar adiante a tarefa de derrotar e expulsar o imperialismo e seus agentes na região. Essa é uma tarefa que somente o proletariado pode realizar, aproveitando-se dessa vitória momentânea para aumentar sua organização e seu internacionalismo construindo uma direção revolucionária, estratégia com a qual se funde o Comitê de Ligação pela IV Internacional.

Notas
[1] Declaração do CLQI, 19-6-14, Rússia e China NÃO são Estados imperialistas, http://tinyurl.com/je4ugum, Oito Índices da Luta Socialista Imperialista Mundial liderada pelos EUA 23/7/14, https://wordpress.com/post/socialistfight.com/1165

[2] Relatório de Guerra da Síria – 29 de novembro de 2016: Exército sírio e PYD / YPG atacam as Forças lideradas pela Turquia ao leste de Aleppo, pela Frente Sul em 29 de novembro de 2016, http://tinyurl.com/zkswaxr

[3] Ver, The Dördüncü Blok e o RCIT, https://wordpress.com/post/socialistfight.com/6507

[4] Ver, Declaração do CLQI: 13-7-2015, https://socialistfight.com/2015/07/13/defend-kurdish-right-to-to-self-determination -não-auto-determinação-para-islâmico-estado /

[5] O Duran, Alexander Mercouris, Vladimir Putin chama Erdogan, força a Turquia a recuar contra Assad http://theduran.com/breaking-furious-putin-calls-erdogan-forces-back-obliges-erdogan-deny-intending-assads-overthrow/

[6] Guerra civil da Síria, 20 de julho de 2016, guerra da Síria: Bebe dos rebeldes “garoto de 12 anos” em vídeo, http://www.aljazeera.com/news/2016/07/syria-war-rebels-behead-10-year-boy-video-160720065358507.html

[7] Amnistia Internacional, 5 de Julho de 2016, Síria: “A tortura foi a minha punição”: Sequestro, tortura e homicídio sumário sob o domínio do grupo armado em Aleppo e Idleb, Síria, https://www.amnesty.org/en/documents/Mde24/4227/2016/pt/

[8] Ekurd Daily, 6-11-16, Iraqi Kurdistan’s KDP says PKK must withdraw from Sinjar, http://ekurd.net/kdp-pkk-withdraw-sinjar-2016-12-06

[9] Ekurd Daily, 8-11-16, Iraqi Kurdistan govt rejects Iran’s claim of arming Kurdish separatists, http://ekurd.net/kurdistan-rejects-iran-claim-2016-11-08

[10] The Guardian, 26-10-16, US and allies prepare to take Raqqa from Isis as battle for Mosul continues, https://www.theguardian.com/us-news/2016/oct/26/isis-islamic-state-us-raqqa-mosul-syria.

http://lcligacomunista.blogspot.co.uk/2016/12/siria-derrota-imperialista-em-aleppo.html

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

WRP Explosion