Reply to Bruce Wallace: From the Bruce to the Broons [1]

“Bruce Wallace and his co-thinker Crucial are dogmatists!” says Peter Taaffe.

Reply to Bruce Wallace: From the Bruce to the Broons [1]

By Gerry Downing

For the benefit of all non-leftist-train-spotters Bruce Wallace leads an opposition current in the Socialist Party on the question of the tendency of the rate of profit to fall. He and his supporters are correct in the main in their attacks on the reformist- Keynesian economics the SP leadership, designed to facilitate their cosy relationship with the left TU bureaucracy in the National Shop Stewards Network. Socialist Fight supporters had communicated with this apparent left opposition on the basis that if they were alleging reformism in the leadership on the falling rate of profit they might spot some other glaring examples like their unyielding tendency to support their own ruling class in all its foreign wars from Ireland to the Malvinas to present day Afghanistan, Iraq, Libya, Syria and now Ukraine. Or that they might even consider the reformism of classifying the state forces as ‘workers in uniform’ or the proposition that capitalism could be overthrown via a parliamentary Enabling Act might be too much like the Communist Party’s reformist British Road to Socialism. But then they do collaborate with the CP in the Europhobic No to EU yes to Democracy so the comparison is not too strained. But no and in his determination to prove his distance from revolutionary politics Bruce attacks the revolutionary Socialist Fight over our position of vote No in the Scottish referendum to appease the somewhat miffed leadership of the SP.

The mass organisations of the British working class are overwhelmingly for a No vote. The Labour party is for a no vote, albeit from a disastrously national chauvinist position which is costing the No campaign many working class votes. No National union has voted to support the Yes campaign. Here is a good statement from the Vote No trade unions and a list of Scottish regional sections recommending Yes votes. Two of the three biggest unions, Unite and Unison, have taken an abstentionist position.

Vote No statement to the TUC Conference by the following unions: GMB, USDAW, CWU, Community, ASLEF and the NUM

“Together, our unions represent 130,000 working people in the public and private sectors across Scotland in areas as diverse as education, postal services, steel, transport, shipbuilding, mining, telecommunications, retail and food and drink. Our unions, and our predecessor unions, have organised in workplaces across Scotland for generations.

We have always believed that our strength comes from working together and organising ordinary working people across the country; building unity, not division. We have always fought for the best deal for the people we represent, whether that is through improving pay and conditions or for better rights at work, while campaigning for real social and economic change. That is why each of our unions has made the democratic decision to support a ‘No’ vote on 18th September and why we are speaking out in favour of Scotland remaining part of the United Kingdom. We believe that the best future for working people across Scotland is served by continuing to work together with friends and colleagues across the UK.

Separating Scotland would damage the rights and conditions of working people across the country, and would lead to a damaging race to the bottom. It would threaten the many rights and improvements that our unions have campaigned for, and won, down the years. Together, we still have much to do to improve the lives of working people across the United Kingdom and to improve the way our country is run. We will campaign against this Tory-led UK Government as strongly as we campaign for a ‘No’ vote. The people of Scotland have never turned their backs on improving the lives of people in Scotland, or across the UK.

That is why we want Scots to help lead our fight for progressive values. Not leave the UK, and leave this fight behind.” [2]

There were very few Yes trade union votes, all Scottish regional ones:

Vote Yes

Edinburgh, Lothians, Fife, Falkirk and Stirling branch of the Communications Workers Union (CWU). Prison Officers Association, Scotland area. National Union of Rail, Maritime and Transport Workers (RMT), Scotland area.

And three abstentions, but these included two of the biggest unions:

Abstain:

Public and Commercial Services Union (PCS), Unite, Unison.

The bigger and more opportunist far left groups and anarchists tend to support the Yes vote and the smaller and more leftist ones the No vote whilst those supporting the abstentionist position are mainly third campists or opportunists not wanting to alienate Scottish supporters. This is very similar to the line up on the Ukraine, the Yes voters in general are pro-Maidan and the No voters were defenders of the Anti-fascist resistance in the Donbass with Counterfire, Democracy and Class Struggle, RCPB and the RCG the only groupings that have switched from anti-Maidan to Vote Yes that we have spotted. The latter three are of Maoist/Marxist Leninist ideology and so view socialism in a single country as possible. I have not seen any group that has moved from pro-Maidan to vote NO. [3]

Scottish Referendum; a list with group origins:

YES

Socialist Workers Party, Counterfire (ex SWP), International Socialist Group (ex-SWP, Scotland), Revolutionary Socialist of the 21 Century (RS21, ex SWP), Socialist Party (CWI), Scottish Socialist Party (ex SP, expelled Tommy Sheridan), Solidarity (ex SP, Tommy Sheridan), Communist Party of Scotland (Mick McGahey), Revolutionary Communist Party of Britain (Marxist–Leninist, RCPB-ML, Albanian Hoxhaists), Socialist Resistance (USFI), Scottish Republican Socialist Movement (ex SNP 79 Group, publications Scottish Worker’s Republic and Red Duster, rallies for 1320 Declaration of Arbroath, 1692 Glencoe Massacre and John MacLean), Class War (Anarchist), Anarchist Federation of Scotland, Revolutionary Communist Group, A World to Win (ex WRP), Democracy and Class Struggle and Aflonyddwch Mawr (Wales, both Maoists), New Communist Party (Sid French).

NO

Workers Power (Fifth International), Socialist Action (USFI), Communist Party of Great Britain ([Marxist–Leninist], CPGB-ML, Harpal Brar, Proletarian, Lalkar), Alliance for Workers Liberty (AWL, Matgamna, Shachtmanite) Socialist Appeal (IMT), Communist Party of Britain (Marxist–Leninist, CPB(M-L), publications, The Worker, Reg Birch, strongly Eurosceptic), Workers Party of Britain (John Dempster info, don’t know who they are), Communist Party of Britain (CPB, Morning Star), Workers Revolutionary Party (Newsline, post WRP Healyite loyalist, Frank Sweeney Gen Sec), Socialist Equality Party (ex WRP, David North WSWS), Socialist Fight (ex WRP, British section of the Liaison Committee for the Fourth International, whose Brazilin and Argentinean sections, CL, TMB, take a Yes position), Communist Workers Organisation (Aurora, German left communism split from International Communist Current, opposes the Russian Revolution), Socialist Democracy (USFI, Ireland), International Bolshevik Tendency (ex Sparts).

No line / others

International Socialist Network (ISN, ex SWP, though majority probably for Yes), CPGB(PCC, Weekly Worker, calling for abstention), Socialist Labour Party (Arthur Scargill’s group, no position but will respect outcome of vote), Spartacist League (Berwick-upon-Tweed to be returned to Scotland, Border Wars?), International Communist Current (Left Communist; anti-Leninist, Luxemburg, Bordiga, Gorter, Pannekoek, Rühle, Pankhurst and Mattick), Socialist Party of Great Britain (SPGB, founded 1904, impossibilists, state capitalists, anti Leninists, abstain), Left Unity (no formal line, but Republican Socialist Tendency in favour of Yes), Anarchist Federation (yes or abstain).

Principled revolutionary Politics for working class unity: Vote No

Having established that this disagreement is not a product of the Socialist Fight ‘ridiculous sectarian ultra left politics’ with its alleged three members and in the cause of better personal hygiene by helping to prevent Bruce Wallace pissing himself too often let us examine the politics.

He begins with a swipe at our International, the LCFI, because we have published open disagreement over the Scottish referendum, he claims:

“Latin Americans some thousands of miles away can understand the Marxist position on the national question regarding Scotland, yet Socialist Fight (SF), a quark element of the defunct WRP, based in London, echoes the voice of big business, the Tories and other reactionary forces who are in favour of maintaining the union.”

Bruce Wallace then makes the classic amalgam:

“In other words Socialist Fight stands with the forces of the British state against the forces of the masses of the Scottish nation who are in favour of independence.”

On that line of reasoning we should support capital punishment, immigration controls, homophobia and racism against Irish, Jews and Black people, to mention but a few when these reactionary populist sentiments sweep big sections of the working class. Not to mention giving enthusiastic support to the fascist-led EuroMaidan as “a great democratic revolution” as you did, ‘comrade’ Bruce.

Trotsky stood with the forces of the Spanish state and even the fascist dictator General Francisco Franco in opposing the masses of the Catalan nation who were in favour of Catalan independence from Spain in the 1930s. And we did quote extensively in our document from Lenin to make the point that what was bad for the capitalists was not necessarily good for the working class. Lenin wrote in 1913:

“Marxists are, of course, opposed to federation and decentralisation, for the simple reason that capitalism requires for its development the largest and most centralised possible states. Other conditions being equal, the class-conscious proletariat will always stand for the larger state. It will always fight against medieval particularism, and will always welcome the closest possible economic amalgamation of large territories in which the proletariat’s struggle against the bourgeoisie can develop on a broad basis.” [4]

So it follows that we do not always advocate the right of oppressed nations to self determination, let alone imperialist ones. But that is not to deny that they have this right and if they exercise it in Scotland or elsewhere we will respect it. But it does not mean we have conceded our political critical facilities and are obliged to develop the same illusions ourselves under the influence of demagogs like Salmond. This is how Bruce misrepresents our position:

“Scottish independence must therefore be stopped to maintain working class unity. In fact SF says they don’t support Scotland exercising that right. This means, in effect, that the right is withdrawn because a right can only exist as a right if it can be exercised.”

There are very serious logical problems with this, in particular the third sentence. Having a right and advising against exercising a right does not negate the right, “in effect” or otherwise. In Ireland, the right to divorce is of recent vintage and it is still extremely limited. But even where there is the most open divorce laws a wise marriage councillor would advise an angry spouse against divorce if he or she judged a transgression to be a one off or not serious enough to warrant the divorce. So an elementary syllogism; all advice is non-compulsory; “Scotland do not exercise your right to self-determination” is a piece of advice therefore this is not compulsion, not the same as prohibition. You would think you would only have to explain that to a small child.

But it gets better, if you get my irony. Having claimed SF does not understand the national question in Scotland you would reasonably think that Bruce would then explain this knotty problem to us so as to set us all on the right road. And he really does need to do that because the Grantite tradition from which he issues has one appalling record on this matter as our introduction indicated. A group that thinks the conflict in the north of Ireland was about “sectarianism”, which could defend the neo-fascist uprising by the Ulster Loyalist Workers Council in 1974 against the Sunningdale Agreement as “the power of the working class” and defended the “right to self-determination” of the Malvinas colonialists in the war of 1982 has some way to go in understanding the national question. Nevertheless he might get it right on Scotland, by a big fluke, if he tried. But he doesn’t. Probably quite sensibly.

Imperialist nations, “can’t be anything on its own politically”, semi colonies and ‘dependent countries’

He then reposts the four guiding principles at the start of the SF article and, after a bit of patronising buffoonery concentrates on point two: “Is Scotland an oppressed nation? We say no, it is an imperialist nation.”

And he delivers what he thinks is the killer blow by highlighting our “baffling illogical guff”; he informs us:

“Thanks a bundle comrades for deciding that we are a nation, we are truly honored (sic), but how have you got the idea that Scotland is an imperialist nation? Given that Scotland is not, at the moment, an independent nation it can’t be anything on its own politically no matter what the position of Salmond and the SNP on NATO or nuclear weapons.”

Well now where to begin? Is Wales an imperialist nation? Is England an imperialist nation? We hope we all agree that “Northern Ireland” is not a nation at all but the British Imperialist-occupied six north eastern counties of the Irish nation? Do we have a British Imperialist nation as distinct from a state? The CPGB/Weekly Worker argue that there is a British nation and I tend to agree but there are, nonetheless, three constituent nations in the larger nation state (FIFA gives them their own football teams) and we must assign them some place in the global state system. No one would care to challenge England as an Imperialist state, either separately or as the leading state in the UK. The problem with Scotland and Wales is that they are about a tenth the size of England; they are very small in comparison. But they are not semi-colonial states and we reject the ridiculous suggestion by Bruce that Scotland “can’t be anything on its own politically” as just too silly for words. It is an imperialist nation similar to Holland or Belgium which is part of a larger imperialist nation. Or as the republics in the former USSR were degenerated workers’ states as part of the bigger degenerated workers’ state.

Others have realised the implication of acknowledging that Scotland is not a semi colony or an oppressed nation. They have suggested that it stands in the same relation to England as Hawaii or Alaska does to the USA or that it belongs to the third category pointed to by Lenin in Imperialism, the Highest Stage of Capitalism, after imperialist countries, colonies and semi-colonies, he suggested that there was a third category called ‘dependent states’ like Portugal and Argentina and it was to this category that Scotland, and presumably Wales, belonged. The list was not extended to Catalonia, the Basque country, etc. but why not?

Hawaii has the tiny beginnings of a national liberation movement, was an independent kingdom and with a population of about 1.5 million may one day seek separation but right now its working class is part of the US working class and no cause would be served by separation for which there is no serious demand. Similarly with Alaska; it was a Russian colony and has a population of about 800,000 and no appreciable stirrings for separation.

What Lenin meant by semi-colonies and dependent states

However there is a misunderstanding on the ‘dependent states’ suggestion in Lenin’s work. When Lenin referred to semi-colonies he did not use the term in the same way that we do today. In fact some groups of Maoist/Marxist Leninist origin and others prefer to use the term ‘neo-colony’ to avoid this confusion but the Trotskyist tradition has always used the term ‘semi-colony’. This is how Lenin referred to semi-colonies in his 1916 work:

“Supan gives figures only for colonies; I think it useful, in order to present a complete picture of the division of the world, to add brief data on non-colonial and semi-colonial countries, in which category I place Persia, China and Turkey: the first of these countries is already almost completely a colony, the second and third are becoming such.” [5]

It is clear from this that he was referring only to Persia, China and Turkey and by semi-colonies he meant these three countries which were in the process of being colonised by Imperialist powers. That is not how we use that term today. We use the term to refer to countries that are nominally independent sovereign nations but are dominated by finance capital and have more or less corrupt leaders doing the bidding of the imperialist hegemon, the USA and/or its allied lesser powers in Europe, Asia and Australia/New Zealand.

The first modern semi-colonies were Cuba (1898), South Africa (1903) and Ireland (1922). Most modern semi-colonial states were added in the post WWII revolutionary upsurge which broke up the old colonial empires of UK, France, Holland, Portugal, etc. The US generally covertly supported these movements unless they were too radical; they used the CIA to assassinate the leaders like Patrice Lumumba in the Congo. When the US pulled the plug on the joint British/French/Israel attack on Suez in 1956 they signalled the end of the colonial era and the beginning of the Finance Capital system of rule. After that the US gradually brought the rest of these national struggles to heel by the imposition of brutal structural adjustment programmes via the World Bank and the IMF, particularly after the 1973 oil crisis and the Yom Kippur war and the debt explosion in the African and south Asian because of the huger hike in the price of oil.

Despite gaining formal independence the sovereignty of these semi colonies was such that they could to develop no economic or practical political freedom because of the domination of finance capital and its allied blood-sucking transnationals. Portugal and Argentina are now and were in 1916 semi-colonies, the term Trotskyists use instead of Lenin’s ‘dependent countries’.

Portugal is a British semi-colony and was then despite the fact that it itself held colonies in Africa and south east Asia. Portugal held its colonies on behalf of Britain and the US to a lesser extent; ‘Portugal may have kept the cow but Britain milked it’ as they said. Likewise with Argentina, despite being an advanced semi-colony from the time Lenin wrote it was never able to break free of the foreign banks and monopolies; British first and now the USA, which dominate its economy even today.

So Scotland is an Imperialist nation, not nothing at all as Bruce suggests and not a ‘dependent country’ which in modern terms means a semi-colony.

A cartoon published in Söndags-Nisse on February 12th 1905, representing Norway as an angry cat and Sweden as a stolid dog tied to one another by a bond which is in flames,which Swedish Prime Minister Boström strives unsuccessfully to extinguish.

Isn’t separating Sweden and Norway in 1905 the same as separating England and Scotland today?

No. The union between Sweden and Norway in 1814 was not like the Union of England and Scotland in 1707. In the first place it was never a full union; it was a personal union of the separate kingdoms of Sweden and Norway under the Swedish monarch, such as existed between England and Scotland between 1603 and 1707. In the second place it was a union forced on Norway by the threat of war in the system of European states that were constructed in the 1814 Treaty of Vienna, after the defeat of revolutionary France. Norway retained its own parliament, there were two kingdoms. The union between England and Scotland abolished the two kingdoms and established a single kingdom and a Union of the Parliaments. On the Union, the historian Simon Schama said “What began as a hostile merger, would end in a full partnership in the most powerful going concern in the world … it was one of the most astonishing transformations in European history.”

This resulted in a united working class as we explained in tracing the developments of Chartism (1838-48), the Great Unrest (1911-14), the post war class struggles led by the Red Clydesiders and the great miners’ strike of 1984-5. There was not in all that time and there is not now a schism between the Scottish and English/Welsh working class unlike the rapture that took place between the British TUC and the Irish working class organisations in 1913, after more than a century of discrimination and racism against Irish workers. The Swedish and Norwegian working class did not have the degree of unity of the British working class but there was strong mutual collaboration in industrial disputes, such as there are between the working class of sovereign imperialist nations on syndicalist issues (issues that do not involve the material interests of their own ruling class). The question of chauvinism between Scottish and English workers hardly arises and the question of cowardice in not advocating a Yes vote is purest demagoguery.

Bruce’s Popular Frontism (by a Scottish contributor)

This stuff is stock Popular Frontism, one minute defending the SNP, the next pretending it doesn’t. It illustrates how far the “Yes-Left” has gone to the right: Wallace’s childish diatribe is strikingly ignorant. e.g. “the yes campaign is not a party campaign at all but a broad based platform with the basic aim of achieving independence”

A “broad based platform”? Aka collaboration between classes? “Independence”? From whom? The Bank of England? The European Central Bank? The EU? etc etc. Bruce says:

“The Fiscal Commission considered the currency options for an independent Scotland.”

What? Someone who still takes that “Fiscal Commission” guff seriously? Bless. If one is proposing a currency union, it’s a good idea to consult at an early stage with those with whom one proposes to “unite”, especially when the proposed partner has an economy over ten times the size of yours and controls the currency. What took many observers aback was that Salmond seems not to have done that.

Bank of England Governor Mark Carney

He says then:

“In February Bank of England Governor Mark Carney spoke of the advantages of a currency union”.

Indeed he did (they’re not hard to work out for oneself) but he also discussed the viability and risks inherent in such a union. His message was, to put it gently, mixed. In the Herald Scotland he warned that mortgage will go up before pay does (10 Sept), that Scotland would need billions more in reserves to ensure stability (10 Sept), his financial warning raised spectre of crisis and he warned again that Scotland couldn’t have currency union without ceding sovereignty (last in Herald Scotland 9 Sept.)

All of the above and more were all over the Scottish press at the time. Salmond may have out-bombasted Darling on some issues in the second telebargy but all agree (except possibly the Yes-Left) that Darling flattened Salmond on the currency issue. You had only to look at the following morning’s front pages, poll results, etc., etc. But Bruce persists:

“They appear to forget that Sterling has been the currency of Scotland as well as Britain for three hundred and seven years!”

It is economically illiterate to view the currency of an “independent” Scotland as a matter of sentiment. Scotland has no reserves bar what it might wrest from the BoE, no central bank and, these days, not even banks in the meaningful sense. If there were to be a currency union, the Bank of England would set interest rates, spending and taxation levels, etc etc. The Puddock [6] can huff and puff as much as he likes but the BoE would, in effect, manage Scotland economically at the macro level. This is schoolboy economics.

Another elephant in the room is the question of EU membership. All agree from the Yes-Left to the “business” right that Scotland just has to be in the EU. Despite Salmond being called on his bluster that membership would be granted automatically, the Yes-Left and the “broader” Yes campaign have yet to explain the consequences of his mendacity. The reality is that, leaving aside the right of e.g. Spain to veto Scotland’s membership, Scotland would have to apply on the same terms as any other new member. It would, long term, almost certainly have to prepare to join the euro, that being the rule. The contradiction between a possible Sterling union and mandatory euro membership has not been discussed. Whatever, similar issues arise in either case – no reserves, no central bank. How might suitable reserves be raised? (Michael Roberts’s blog has useful data.)

I’ve said all this before but then so has everyone else. As conservative commentator Christopher Booker put it on Sunday, “Scotland” is sleepwalking into a nightmare. The Yes-Left has played a role in this that may prove to be decisive – the “Popular Front” is a dangerous tactic.”

In the All that is Solid blog an excellent comment by Robert explained the situation on this referendum very well:

“The Scottish referendum provides slam-dunk evidence, if any were needed, that something has gone seriously wrong with the cognitive abilities of our so-called leaders. There appears to be no-one any longer capable of thinking through the consequences of actions or decisions. This referendum was called on the clear assumption that there would be a sizeable ‘no’ majority – it doesn’t seem to have crossed anyone’s mind that the ‘yes’ campaign could win so there’s no properly thought through Plan B. What would Scottish independence mean for the rest of what I’ll still call the UK? Then there’s the fundamental issue that a ‘yes’ vote creates not one but two new entities – Scotland and the rest – and those of us in the second category (numerically much larger than those in the first) have no say whatsoever in its creation.

Alex Salmond also seems to be as incapable of thinking through decisions as the English elites he’s anxious to escape from – I simply cannot understand how he believes Scotland can retain sterling – who’s the lender of last resort? I get the feeling he thinks that while Scotland becomes ‘technically’ independent, everything will just carry on as it is – which is nonsense, of course. Similarly, the assumption that Scotland can retain EU membership but will somehow be free to follow its own course when the EU mandates what it doesn’t like.

Case in point. Wee Eck (Alex Salmond) has been trying to pull the wool over the eyes of the Scots for some time now. His premise is that come independence, England will have to pay as always, and the EU on top of that. Any arguments against were brushed aside as anti-Scottish. One little snippet: University education is free to all Scots, and has to be free to all EU students. English students alone have to pay the full whack. Come independence, he’s got to follow EU rules if he wants to be a member – and that means that English students, now being foreigners from another EU country, won’t have to pay either … or everybody will have to pay, Scottish students included. Law of unintended consequences …

I have doubts myself that the SNP has the public interest in mind in its drive for independence. My feeling is that the SNP confidently assumes that Scotland will be part of a currency union with the rump UK and that full EU membership is assured; also that the nation can rely on North Sea oil resources forever and a day. The reality is more likely to be that an independent Scotland led by the SNP will end up in currency and economic limbo and will be squeezed hard by Westminster and the EU, the latter forcing the country to adopt the same austerity package as other small EU member nations in order to qualify for membership which won’t necessarily be guaranteed. Scotland will also have to compete with the UK for capital to develop its oil resources and this is likely to drive down wages and destroy any dreams the SNP and the Scottish public have of creating a generous social welfare state similar to what the Scandinavian countries have.” [7]

Notes

[1] Bruce Wallace, Socialist Broons: http://69.195.124.91/~brucieba/2014/09/13/socialist-broons/

[2] Campaigning Trade Unions say No to Separation, http://www.scottishlabour.org.uk/blog/entry/campaigning-trade-unions-say-no-to-separation#sthash.D0GTQ0e7.dpuf

[3] A recent post in an elist gave this basic British line-up on the Scottish referendum. I have given the full names, added some details on origins and politics and added others as suggested and corected mistakes that others have spotted.

[4] Lenin, Critical Remarks on the National Question (1913), https://www.marxists.org/archive/lenin/works/1913/crnq/6.htm

[5] Lenin, Imperialism, the Highest Stage of Capitalism, https://www.marxists.org/archive/lenin/works/1916/imp-hsc/ch06.htm.

[6] A Puddock or taid is a craitur seemilar tae a frog that bides on laund an in fresh watter. Growen puddocks can lowp faur wi their lang shanks. Their eggs is cried taid-spew or taid-redd (as we say north of the border).

[7] Comment by Robert in All That Is Solid … blog British Trotskyism and Scottish Independence, by Phil, http://averypublicsociologist.blogspot.com.au/2014/09/british-trotskyism-and-scottish.html

SF- PLEBISCITO PELA INDEPENDENCIA DA ESCÓCIA Vote “NÃO”

domingo, 14 de setembro de 2014

SF- PLEBISCITO PELA INDEPENDENCIA DA ESCÓCIA

Vote “NÃO”

Declaração do Socialist Fight sobre o referendo escocês que ocorrerá em 18 de setembro:

8 de setembro de 2014

English version – Socialist Fight

NOTA INTRODUTÓRIA DO COMITÊ DE LIGAÇÃO PELA IV INTERNACIONAL:

As organizações do Comitê de Ligação pela IV Internacional não chegaram a um acordo comum sobre que tática adotar diante do plebiscito acerca da independência da Escócia. A Liga Comunista, do Brasil, e a Tendência Militante Bolchevique, da Argentina, defendem o voto “SIM”. O Socialist Fight, da Grã Bretanha, defende o voto “NÃO”. Nossa jovem proto-internacional, que aspira se construir como um partido centralizado internacional, ainda não possui estrutura interna desenvolvida o suficiente para deliberar por votação interna a posição majoritária do CLFI diante desta questão. Não escondemos nossas divergências internas sobre essa tática e acreditamos que a publicação das duas posições seja a forma mais honesta de tratar o tema diante da classe operária, dos oprimidos e de sua vanguarda classista mundial.

Lenin assinalou criticamente sobre a questão nacional:

A defesa de um ‘SIM’ ou de um ‘NÃO’ acerca da questão da separação de uma nação pode parecer muito “prática”. Na realidade, isto é um absurdo; é metafísico em teoria, ao passo que, na prática, leva a subordinação do proletariado à política da burguesia. A burguesia sempre coloca suas exigências nacionais em primeiro plano, e faz isso de forma categórica. Com o proletariado, no entanto, essas demandas são subordinadas aos interesses da luta de classes. Teoricamente, não se pode dizer de antemão se a revolução democrático-burguesa em uma determinada nação vai acabar na secessão de outra nação, ou na sua igualdade com a última; Em ambos os casos, o importante para o proletariado é assegurar o desenvolvimento de sua classe. Para a burguesia é importante dificultar este desenvolvimento, colocando os objetivos da ‘sua’ nação antes dos do proletariado. É por isso que o proletariado é contido com a reivindicação defensiva do reconhecimento do direito à autodeterminação, sem dar garantias de qualquer nação, e sem comprometer-se a dar qualquer coisa em detrimento de outra nação… Na medida em que a burguesia da nação oprimida luta contra o opressor, estamos sempre, em todos os casos, e mais fortemente do que qualquer outra pessoa, a favor, pois somos o mais firme e os inimigos mais consistentes de opressão. Mas na medida em que a burguesia da nação oprimida representa o seu próprio nacionalismo burguês, estamos contra. Lutamos contra os privilégios e a violência do país opressor, e não podemos tolerar de forma alguma os privilégios dentro da nação oprimida“. [1]

A desintegração dos Impérios: A Áustria-Hungria era uma Torre de Babel, um caos poliglota no qual mesmo os austríacos não conseguiam se entender… Os tchecos queria o restabelecimento do reino da Boêmia, e, finalmente, a união com a Rússia, Os Routhenians, oprimidos pelos poloneses e diferindo em língua e religião deles, aspiravam ansiosamente por uma incorporação no império do Czar. Os poloneses proclamou secretamente, se não abertamente, a restauração do reino da Polônia. A Itália irredenta [aspiração de um povo a completar a própria unidade territorial nacional, anexando terras de outro] estava sempre atenta para a Trentina e Trieste, não importa quão duro os eslavos, funcionários e policiais tentaram suprimir esta aspiração. Os eslavos do sul das costas da Dalmácia, Croácia e Eslavônia clamavam por uma unificação, e seu objetivo principal era o restabelecimento do antigo reino da Sérvia, abrangendo também a Sérvia, Bósnia, Herzegovina e Montenegro. Os romenos desejava sua anexação pelo jovem e vigoroso reino austro-húngaro. E, por último, não menos importante, os alemães da Boêmia, Morávia, Silésia, Baixa Áustria, Estíria, e os habitantes mais avançadas e politicamente educados dos Alpes, desejava uma união das províncias alemãs com a Alemanha de uma forma ou de outra.
Inspirados pela citação de Lenin temos de responder a certas perguntas para decidir sobre um “sim” ou “não”:

  1. A Escócia é uma nação? Nós dizemos que sim.
  2. A Escócia é uma nação oprimida? Nós dizemos não, é uma nação imperialista.
  3. Ela tem o direito de autodeterminação? Nós dizemos que sim, mas nos opomos a que o exercício desse direito.
  4. A separação da Escócia interessa a classe trabalhadora britânica ou internacional? Nós dizemos não.

O QUE ESTÁ IMPULSIONANDO OS MODERNOS MOVIMENTOS

DE SEPARAÇÃO NACIONAIS EM PAÍSES IMPERIALISTAS?

Desde a derrota da Argentina na guerra das Malvinas, em 1982, da derrota dos controladores de tráfego aéreo dos EUA e da dissolução de seu Sindicato (PATCO) por Ronald Reagan (também em 1982), a derrota da greve dos mineiros na Grã-Bretanha, em 1985, esteve em ascensão a agenda neoliberal do capital financeiro global. Esta ofensiva resultou na derrota da Europa Oriental, da Rússia e da China como os Estados operários degenerados e deformados entre 1989-1992. Na sequência da dissolução da Iugoslávia a partir de 1990 (da dissolução do Partido Comunista iugoslavo), tem sido cada vez mais frequente o apoio dos imperialismos ao desmembramento de Estados no mundo semicolonial, a fim de arrancá-los da influência dos Estados emergentes para colocá-los sob influencia do capital financeiro global. Estônia, Letônia, Lituânia e outras repúblicas da antiga URSS como Eslovênia, Croácia, Bósnia, Sérvia, Montenegro, etc. em todos esses casos, o FMI e o Banco Mundial têm pressionado por privatizações, venda dos ativos do Estado, cortes de salários, destruição de cuidados com a saúde, educação e pensões para os idosos. Os lobos das multinacionais globais uivam pela riqueza gerada a partir de toda essa pilhagem.

Na desintegração da Iugoslávia e em alguns outros países, o método consistia em recorrer para as burguesias nacionais das repúblicas mais prósperas para que rompessem com o fornecimento de subsídios às repúblicas mais pobres e estabelecer relações diretas com o imperialismo, em prejuízo da classe operária nesses países – a expectativa de vida quase sempre despencou, caindo drasticamente como consequência dessas “libertações” – a ex-URSS e Iugoslávia são exemplos extremos disso. O Tibete e os uigures que vivem na Região Autónoma Uigur de Xinjiang na China são os principais alvos para a intervenção da CIA para fragmentar a China.

Como consequência, a questão nacional começou a ressurgir nos países imperialistas, como parte do avanço da ideologia neoliberal incentivada pela burguesia local, regiões que historicamente faziam parte de Estados buscam relações diretas com o imperialismo, em grande parte, mas não exclusivamente, com o imperialismo dos EUA e suas transnacionais. As regiões mais importantes por onde começaram as pressões pela a autodeterminação são a Catalunha, na Espanha; o País Basco, na Espanha e na França, a região de Vêneto (Veneza) do norte da Itália, a região flamenga da Bélgica e a Escócia. A motivação da burguesia para impulsionar todos esses movimentos é o mesmo, enriquecer-se através do estabelecimento de relações mais estreitas com o capital financeiro imperialista, para aumentar a superexploração da sua própria classe operária e deixar de subsidiar as regiões mais pobres.

Os quatro movimentos no continente europeu são, obviamente, motivados pelo desprezo burguês para com os pobres do sul do Mezzogiorno, da Andaluzia e Extremadura e resto da Bélgica, que é o mais pobre em geral. O referendo escocês é disputado na base de “o que é melhor para a Escócia“, exaltando as vantagens do petróleo do Mar do Norte e do relacionamento da Escócia com Wall Street. Salmond abandona uma fracassada política de “miopia nacional” para cair em outra. Antes da crise de 2008, a Escócia caminhava para converter-se no “Reino da Prosperidade” a noroeste da Europa, juntamente com a Noruega, Islândia e Irlanda. Já não se escuta mais falar deste mito agora, exceto quando relembram seus adversários. No entanto, os movimentos flamengo e italiano são liderados por forças de extrema-direita, diferentemente do movimento espanhol e escocês que representam nações históricas e são liderados por forças liberais burgueses e de centro-direita. A classe operária escocesa militante de meados dos anos 1980 não teria aceitado isso e nenhum grupo importante ou mesmo pequeno da extrema esquerda da Grã-Bretanha como o WRP, o SWP ou The Militant defendeu isso naquele momento.

Quando se escutou os primeiros rumores sobre a crise do Banco RBS, Salmond os desprezou como sendo rumores de “alguns aproveitadores e especuladores“. Ele era talvez a última pessoa capaz de entender que os bancos da Escócia foram implodidos e não admite mesmo agora que a Escócia teria ido a falência se não tivesse sido socorrida por Westminster, ou seja, se os contribuintes ingleses não o tivessem salvado. (Mais tarde descobriu-se que como também foi anunciado pelo London Review of Books):

Que a principal causa do desastre, no caso do Reino Unido, foi a imprudência total dos dois principais bancos escoceses, RBS e HBOS, é uma verdade inconveniente que jamais poderíamos esperar que o atual líder do SNP admitisse, especialmente porque ele foi anteriormente empregado como economista por uma dessas instituições que agora são zumbis. Ainda mais inconveniente para Alex Salmond, é admitir que os dois pilares do setor bancário escocês, outrora motivo de orgulho, são agora sustentados pelo Estado britânico (ou seja, em grande parte pelos contribuintes ingleses). Salmond contesta este terremoto econômico culpando uma dupla de traidores anglo-escoceses, Gordon Brown e Alistair Darling, por não regulamentar corretamente o setor financeiro. Isto ressalta outra verdade ainda mais inconveniente para o SNP: até o estouro da crise com os bancos, Salmond estava pedindo uma regulação financeira mais branda da que foi imposta pelo New Labour. Em uma entrevista com o Times em 7 de abril de 2007, ele declarou: ‘Estamos comprometendo uma regulamentação leve, adequado ao setor financeiro escocês, com sua excelente reputação e probidade administrativa.’ A realidade é que Salmond era o rei dos ‘aproveitadores e especuladores’ que ele veio a denunciar depois, e se eles vivem no Salmondistan e não na Brownland hoje, seus compatriotas seria em uma situação ainda mais horrendo do que os cidadãos da Islândia ou da Grécia.” [2]

A próxima “miragem” era que a Escócia seria parte do sonho europeu, uma vez que iria poder aderir automaticamente a UE. Em tom de desafio, Salmond disse que havia recebido consistentes e virtuosas informações sobre o assunto. Descobriu-se que tratava-se de uma mentira descarada ao Parlamento Hollyrood da qual ele só conseguiu escapar porque os Trabalhistas não o pressionaram de forma rigorosa. Ele não só não dispunha de tais informações como ninguém tinha devidamente estudados a questão ainda. A UE emitiu uma enxurrada de declarações taxativas determinando que a Escócia teria que se enquadrar da mesma forma que qualquer outro Estado e que a adesão não seriam concedidas com tanta pressa. O Estado-Membro pertinente é o Reino Unido, do qual a Escócia é uma região. Se a Escócia deixa o Reino Unido, isto, obviamente, significa deixar de ser uma parte de um Estado-Membro. Foi nesse ponto que o governo espanhol disse que (por razões óbvias e Catalônicas) que iria vetar qualquer pedido de ingresso da Escócia.

A ESCÓCIA É UMA NAÇÃO IMPERIALISTA MENOR,

AO CONTRÁRIO DA IRLANDA

Lênin escreveu em 1913:

“Obviamente, os Marxistas se opõem ao principio federativo e a descentralização pela simples razão de que o capitalismo necessita para o seu desenvolvimento de Estados maiores e mais centralizados possíveis. Em igualdade de condições, o proletariado consciente estará sempre para o Estado maior. Ele sempre vai lutar contra o particularismo medieval, e será sempre bem-vinda a fusão econômica de grandes territórios em que a luta do proletariado contra a burguesia podem se desenvolver em uma base mais próxima e ampla.

O amplo e rápido desenvolvimento das forças produtivas do capitalismo exige territórios grandes, politicamente compactos e unidos, pois só aqui pode a classe burguesa, juntamente com seu antípoda inevitável, a classe proletária, se unir e varrer todo a velha, medieval, casta paroquial, micro-nacional, religiosa e outras barreiras.

O direito das nações à autodeterminação, ou seja, o direito de se separar e formar Estados nacionais independentes, será tratado em outro momento. Mas, enquanto e na medida em que, diferentes nações constituem um único Estado, os marxistas nunca, em hipótese alguma, defenderão tanto o princípio federativo ou a descentralização. O grande Estado centralizado é um enorme passo histórico para frente da fragmentação medieval para a futura unidade socialista de todo o mundo, e só através de um tal Estado (inseparavelmente ligados com o capitalismo), pode haver qualquer caminho para o socialismo”. [3]

Esta citação tem sido frequentemente utilizada pelo Partido Socialista CWI/CIT (cuja seção no Brasil é a LSR/PSOL), dentre outros, para se opor aos direitos legítimos das nações oprimidas à autodeterminação. Primeiramente cabe a nós mostrarmos que a Escócia é uma nação imperialista agora em aliança com o imperialismo Inglês e Galês no Estado britânico. Se a Escócia consolidar sua independência será um pequeno Estado imperialista, como a Bélgica ou a Holanda. As comparações com a Irlanda, que é uma nação oprimida e cujos seis condados do nordeste ainda são uma colônia do imperialismo britânico, não são válidas. Vejamos a diferença histórica:

“A ASCENDÊNCIA PROTESTANTE: SÉCULO 18

Os protestantes da Irlanda, triunfantes das sequelas da batalha de Boyne (1690) logo tomaram medidas para obter vantagens duradouras sobre os seus inimigos católicos… Enquanto isso as leis penais restringem severamente as liberdades católicas em outras regiões. Isto proibiu aos católicos de terem assento no parlamento de Dublin, ocupar cargos públicos, possuir uma escola e até mesmo de possuir um cavalo decente (no valor superior a £ 5).

Apesar das vantagens, assim asseguradas, para os protestantes da Irlanda, eles também encontraram motivo de ressentimentos durante o século 18. Cada vez mais a ascendência protestante significava a ascensão de protestantes ingleses. Os melhores postos de trabalho, na igreja ou no governo, são dados aos recém-chegados do outro lado do Mar da Irlanda. O comércio irlandês sofre tarifas e restrições prejudiciais. A Escócia, agora em união política com a Inglaterra, goza de livre comércio; em contrapartida, o mercado irlandês é controlado a partir de Westminster (que proíbe, por exemplo, a exportação da lã irlandesa).

Os irlandeses encontraram muita simpatia para suas denúncias nas colônias americanas. As demandas irlandeses encontraram maior eco nos anos após a Revolução Americana”. [4]

Aproveitando esse auge internacional da revolução burguesa, que culminou com a Revolução Francesa (1889-1894) Henry Grattan estabeleceu um alto grau de independência no Parlamento da Irlanda. Sua influência durou entre 1782-1800 (“Mal entrei no seu berço, chegaram com o seu carro funerário”, disse Grattan, lamentando a sua morte, em 1801) e exerceu relativa independência econômica, a única desse período a Irlanda experimentou entre Act de 1495 e 1922 Poynings’. A grande revolução burguesa da Irlanda foi esmagada com extrema barbárie pela Grã-Bretanha em 1798. A história da Escócia foi completamente diferente; ela teve sua revolução burguesa com sucesso na década de 1640, simultaneamente com a Inglaterra e País de Gales, mas ainda assim de forma significativa em separado e diferente para estabelecer-se como uma nação com seu próprio direito. Ela agora desfrutava de livre comércio. Segundo a Wikipedia:

A Escócia viveu “sete séculos como um Estado independente e depois passou os últimos três séculos unida com a Inglaterra como um país do Reino Unido … Depois de 1800, a economia decolou, se industrializou rapidamente, com têxteis, carvão, ferro, estradas de ferro, além de sua famosa construção naval e serviços bancários. Glasgow foi o centro da economia escocesa… A economia, muito baseada na agricultura, começou a se industrializar após 1790. A primeira e principal indústria foi a fiação e a tecelagem de algodão. Em 1861, a Guerra Civil Americana, abruptamente cortou o fornecimento de algodão cru e essa indústria nunca mais se recuperou. Graças aos seus muitos empresários e engenheiros, e seu grande estoque de carvão de fácil extração, a Escócia tornou-se um centro mundial de engenharia, construção naval e ferroviária, com a substituição do ferro pelo aço após 1870 “[5]

Ou como amigo no Facebook resumiu de forma mais sucinta:

A primeira tentativa da Escócia para se juntar as economias escravocratas (o Desastre de Darien) foi um fracasso espetacular, foi quando o baluarte do sonho imperial britânico desde meados do século XVIII, quando Glasgow era chamada a “Lord Tabaco” começou a adquirir a sua fabulosa riqueza. Essa riqueza foi, naturalmente, apoiada em um pequeno trio alegre tráfico de drogas, contrabando e escravidão. Quando a revolução industrial começou, a burguesia escocesa continuou a apoiar o seu empreendimento imperial ao máximo, baseando a sua riqueza de fabricação na atração de mercados cativos de um lado e na intensa exploração da classe trabalhadora local, por outro.”

Esta é a história política e econômica de uma nação imperialista, integrante do Império como um parceiro com plenos direitos. A Irlanda, por outro lado, se deteriorou economicamente de forma rápida após a sua união forçada com a Grã-Bretanha em 1801 depois de já ter-se arruinado profundamente durante a Grande Fome de 1845-1848, que fez desaparecerem 2 milhões de pessoas do seu censo de 1841, entre mortos e emigrados. Dublin foi a segunda cidade do Império, em 1801, mas em 1913, durante a Greve Geral, as terríveis condições de pobreza e habitação dos seus trabalhadores fez com que sua expectativa de vida e as suas taxas de mortalidade infantil não encontrassem paralelo na Europa e ficassem em pé de igualdade com as de Calcutá. De uma população de 8,5 milhões, em 1841, a Irlanda, como um todo, diminuiu para cerca de 4,5 no século 20 e só voltou a subir novamente nos anos 60 para atingir seu nível atual de 6,4 milhões.

Apesar dos esforços dos nacionalistas irlandeses para livrar os componentes escoceses e galeses do Império pelos crimes que praticaram na Irlanda e pelos “problemas” de 1918-1921 mediante insistente referência a Grã-Bretanha como sendo apenas “Inglaterra” ou “pérfida Albion” os King’s Own Scottish Borderers (um regimento da infantaria do Exército Britânico) eram identificados pelos líderes do IRA por serem particularmente cruéis. Em julho de 1914, foi o Regimento dos ‘Borderers’ que realizou o massacre de Bachelors Walk em Dublin, após a operação de contrabando de armas no porto de Howth para os voluntários irlandeses defensores da autonomia, ainda comemorada até hoje. A oeste de Cork como registrado por Tom Barry em sua obra “Dias de guerrilha na Irlanda” a ordem era matar à primeira vista, e de fato os homens do IRA tinham sorte se ele eram mortos e não capturados por estes batalhões. O IRA permitiu que outros regimentos se rendessem; eles foram desarmados e autorizado a regressar ao quartel. Os Borderers não foram menos cruéis durante os últimos “problemas” ocorridos entre 1968-98, no norte da Irlanda. [6]

As duas origens do SNP moderno, os Escoceses Unionistas

e a esquerda nacionalista; verdadeiramente “Tories de tartan”.

Tartã (do inglês tartan) é um padrão quadriculado de estampas,

composto de linhas diferentes e cores variadas.

A título de exemplo, podemos mencionar o uso frequente

desta estampa em kilts, indumentária típica escocesa.

É um fato contraditório, mas muito revelador que as origens políticas do SNP estão na tradição escocesa unionista, que tinha apelado com sucesso aos eleitores da classe trabalhadora protestantes alegando que a defesa do Império era a defesa dos empregos industriais, em particular, do oeste da Escócia. Depois da derrota da esquerda social-democrata entre 1973-1982, a partir da eleição de Margo MacDonald que expulsou o Grupo dos 79 Socialistas, do qual Alex Salmond foi membro. Salmond foi girando o partido para à direita de volta às suas raízes conservadores desde que se tornou seu líder em 1990. Os remanescentes membros da ala esquerda romperam para se juntarem ao malfadado Partido Socialista Escocês de Tommy Sheridan em 1998.

Não é por acaso que o SNP é apelidado de “Tartan Tories”, só que agora o SNP está focado mais para o imperialismo norte-americano do que para o imperialismo britânico. O Partido Unionista escocês era uma ala do partido conservador até 1965, como os Unionistas do Ulster, até 1973, era o principal partido de direita na Escócia entre 1912 e 1965, quando os conservadores começaram a se expressar em seu próprio nome. Ele ganhou entre 25 e 42 por cento dos votos para o establishment conservador naqueles anos. Como o artigo da Wikipedia explica:

A unidade imperial popular foi a linha condutora do sistema de crenças do Partido Unionista Escocês. Embora tenha sido o toque de recolher na Irlanda o que definiu as circunstâncias para a criação do partido, e não o princípio da autonomia em relação a Grã Bretanha, que eles se opunham, mas a crença de que a independência da Irlanda levaria à dissolução do Império Britânico. Isto foi demonstrado pela sua aceitação e apoio ao domínio do Estado sobre as colônias, como Austrália, Canadá, Nova Zelândia e Terranova. Essa colcha de retalhos que compôs o sistema de crenças do Partido Unionista Escocês foi demonstrada quando da ruptura dos membros do partido para a criação do Partido Escocês, que eventualmente se fundiu com o Partido Nacional da Escócia para formar o Partido Nacional Escocês. [7]

Brian Souter, o milionário escocês e fundador do gigante grupo de transportes Stagecoach tem sido um defensor de longa data do SNP. Em 2000, quando o Executivo escocês estavam planejando a abolir as 28 leis homofóbicas introduzidas por Margaret Thatcher em 1988, que proibia as autoridades locais de “promoção intencional da homossexualidade “, Souter fez abertamente uma campanha homofóbica pela manutenção das leis homofóbicas. Alex Salmond foi criticado por “favorecer a homofobia” em 2007, quando ele aceitou £ 500.000 de Souter. Ele negou qualquer vínculo, mas, em seguida, o partido se opôs ao direito de casais homossexuais a igualdade de tratamento nas agências de adoção católicas. Salmond agradeceu Souter por seu apoio, chamando-o de “um dos empreendedores de destaque de sua geração”. Em abril de 2007, o SNP desistiu de implementar sua promessa pela regulamentação da rede de ônibus que havia feito na conferência do ano anterior. Salmond inacreditavelmente negou que a doação de £ 500.000 tivesse qualquer ligação com esta decisão. Novamente, em 2011, Souter deu apoio financeiro para o SNP de até £ 500.000. Ele, obviamente, espera ser recompensado novamente por isso.

COMO É QUE A CLASSE TRABALHADORA

ESCOCESA, INGLESA E GAULESA ENCARAM O REFERENDO?

Não se trata apenas de uma questão econômica, mas como esta realidade econômica é entendida pela massa dos trabalhadores. É isto que importa para os marxistas. Isto assim que Lenin julga a questão, como visto no início deste documento. Temos de nos diferenciar rigorosamente do nacionalista burguês de Alex Salmond. Salmond dita o conteúdo político da campanha do referendo “SIM” de modo afinado com o ex-dirigente do Partido Socialista Escocês, Tommy Sheridan, dançando a sua música a ponto de que os escritores do WSWS, Steve James e Jordan Shilton, especulam, em 05 de julho de 2014, de maneira um tanto fantasiosa, que ele está prestes a juntar-se ao SNP.

Em uma reunião recente em East Kilbride, Sheridan começou seu discurso com uma referência a ridícula ao a-histórico filme ‘Coração Valente’ (Braveheart), de Mel Gibson, declarando que a obra tinha como temas principais a ‘Liberdade’. A ‘Tirania possui muitas formas’, disse ele, observando que “desde 1951, a Escócia teve que suportar 35 anos de um governo conservador sem eleições” – algo que poderia ser dito para muitas outras regiões do Reino Unido e sobre a maioria dos trabalhadores britânicos.

Em um discurso publicado na Internet, Sheridan queixou-se amargamente que a Escócia tinha pago mais para o Reino Unido nos últimos 32 anos do que recebido. Isso mostra que as pessoas na Escócia não são mendigos ‘mas auto-suficientes.’

Em entrevista a um jornal Sheridan foi mais explícito, declarando: ‘Estamos constantemente sendo informados de como a Escócia é mais forte e melhor como membro integrante do Reino Unido. Mas se você olhar para os recursos da Escócia, o nosso potencial, o nosso talento e o que temos conseguido, como nação, não há absolutamente nenhum argumento convincentemente para provar que a Escócia é melhor não sendo um país independente.‘… Este argumento vem sendo rotineiramente empregada na Itália pela Liga do Norte ou da Bélgica, pelo Vlams Belang. Estes partidos separatistas de direita queixam de que eles estão subsidiando as regiões mais pobres do país e devem ser livres para desfrutar de sua própria prosperidade“. [8]

Como Sandy McBurney observada quando polemiza contra o ex-militante do SWP (agora RS21), Neil Davidson, em sua entrevista para o Weekly Worker [semanário do Partido Comunista da Grã Bretanha]:

Alex Salmond poderia ter sido contra a guerra no Iraque, mas ele apoiou a invasão e a ocupação do Afeganistão e o bombardeio sobre a Líbia. Ele é um grande amigo do imperialismo norte-americano e do papel dominante dos EUA na política mundial. O SNP sempre fez uma grande confusão sobre os regimentos escoceses no exército britânico. Eles podem querer se livrar dos Trident [submarinos britânicos possuidores de mísseis nucleares estacionados em águas escocesas], mas eles querem permanecer na OTAN [9] e propuseram uma política de “não sei nem quero saber” em relação à presença de navios da OTAN com armas nucleares em águas escocesas. A ideia de que uma Escócia independente seria anti-imperialista é simplesmente ridícula.

… Todo o processo de dividir as nossas forças em dois países diferentes vai enfraquecer seriamente a solidariedade que existe. E ele já está acontecendo. É bastante comum que os socialistas [escoceses] não apoiem a fundação de um grande Partido Socialista na Grã-Bretanha – em vez disso, eles defendem um partido separado para a Escócia com o seu próprio programa separado. Eles rejeitam a perspectiva de um governo na Grã-Bretanha controlado pela classe trabalhadora.

Davidson também subestima o perigo real de que o voto ‘SIM’ poderia levar a um aumento do nacionalismo em ambos os lados da fronteira, devido a disputas sobre os termos exatos do “divórcio”. Se o SNP ganhar o referendo eles propõem um calendário otimista de 18 meses de negociação com Westminster que antecederam a independência real em março 2016. Este processo pode ficar muito confuso, com chauvinistas de ambos os lados da fronteira, agitando-se o ressentimento nacionalista em relação a repartição dos ativos e passivos. Em tal situação política, ambos os lados da fronteira poderiam se mover bruscamente para à direita e a independência enfraqueceria a única força social capaz de derrotar o imperialismo: a classe trabalhadora. Neste contexto, poderíamos ver o que resta do Reino Unido tornando-se ainda mais agressiva militarista após a independência de Grã-Bretanha atualmente.

Mas o capital está organizado no âmbito do Estado e, mediante a divisão das forças de muitos ativistas de esquerda que estão efetivamente realizando uma luta contra o capitalismo como um sistema. Eu realmente não consigo ver como podemos derrotar o capital organizado internacionalmente dividindo nossas forças em entidades cada vez menores. Por que deveríamos ajudar a construção de uma nova prisão nacional para a classe trabalhadora? O fato de que este aumento de nacionalismo é visível não apenas na Grã-Bretanha, mas também em muitos outros países, mostra que a esquerda reformista tradicional continua a se desintegrar e a degenerar. Precisamos de uma alternativa marxista internacional contra a velha política que ainda dominam o movimento dos trabalhadores “. [10]

Ressalta-se que não há nenhuma campanha republicana séria por um voto afirmativo de qualquer tamanho ou princípio, nenhuma sugestão de que a rainha será derrotada. Como John Wight assinala em seu blog:

O conteúdo do panfleto da campanha do SNP pelo “SIM”, até agora o único panfleto defendendo a independência que existe, confirmando de forma inegável que o SNP não luta por uma ruptura com o status quo, apenas representa a sua manutenção sob uma bandeira diferente. Apesar de sua importância histórica, nunca houve uma campanha política tão divisionista e tão estreita como esta. Considerando as evidenciam, se o resultado for a vitória do “NÃO”, isto significa que em setembro o chefe de Estado (na Escócia) já existente – a monarquia – continuará a ser o chefe de Estado, enquanto que, se o resultado for “SIM”, no pepel de chefe de Estado – a mesma monarquia – se tornará o novo chefe de Estado“. [11]

A questão da moeda escocesa após um voto “SIM” reune todos os problemas da independência escocesa. O SNP parece nunca ter feito uma reflexão séria sobre qual a moeda a Escócia usará, uma questão para a qual Alistair Darling (parlamentar trabalhista defensor da campanha pelo “NÃO”) chamou a atenção, no primeiro debate televisivo sobre a independência escocesa. Ninguém parece ter consultado ninguém, ou discutido com funcionários públicos do Banco da Inglaterra, etc. Ambos os lados são bastante lacônicos sobre o fato de que, como um novo membro da UE (sempre supondo que os espanhóis não vetarão a adesão escocesa), a médio prazo, a Escócia teria que se disciplinar para aderir ao euro. Isso teria efeitos imediatos sobre a propriedade pública na Escócia. É razoável supor que a estatal fornecedora de água ScottishWater seria rapidamente privatizada e que os transportes públicos fossem vendidos em leilão. A viabilidade do aeroporto de Prestwick, assumido pelo Estado em novembro de 2013, estaria ameaçada porque faltam vias de trafego adequados para Glasgow [ principal cidade da Escócia e terceira mais populosa do Reino Unido ].

O Ministro das Finanças, John Swinney,

e o Primeiro-ministro escocês, Alex Salmond.

O ministro das Finanças, John Swinney, promete que o novo governo vai fazer um empréstimo para financiar os pagamentos de previdência social, mas de onde? Salmond diz que eles vão desconhecer a parte escocesa da dívida do Reino Unido se a Escócia não pode utilizar a libra estelina mas isso significaria um calote que iria destruir sua autoridade financeira no mercado mundial. Eles teriam que pagar taxas proibitivas para realizar qualquer empréstimo, como os países do sul da Europa e a Irlanda foram submetidos há alguns anos atrás. Swinney não tem a intenção de fazer empréstimo para financiar os pagamentos de previdência social e quase certamente não poderia mesmo se ele tivesse. É apenas demagogia barata propagandeada para enganar os pobres; que vergonhosamente desde a classe média, passando pela imprensa até a política conspira conivente nesta fraude.

A Sterling (libra esterlina) é a moeda britânica. O governo capitalista da Grã-Bretanha não é obrigado a colocar seus recursos em risco simplesmente por simpatizar com os capitalistas escoceses. A escolha parece ser entre a libra esterlina (e neste caso a tal “independência” seria uma farsa completa pois a Escócia ficaria inevitavelmente subordinada as regras do Banco da Inglaterra) ou o Euro. Diante deste último, a escolha pela libra se assemelharia ao próprio céu. A ideia da viabilidade de uma moeda escocesa pressupõe um profundo desconhecimento para ser levada a sério. Em suma, há uma pergunta que poucos ativistas de esquerda parecem estar dispostos a fazer “uma Escócia capitalista é economicamente viável?”. Se houver dúvida quanto a isso, quais poderiam ser as consequências para a sociedade como um todo, e sobretudo para a classe trabalhadora?

Escócia é um país pós-industrial ou não? Fazer essa pergunta é respondê-la. Será que ela tem um sector financeiro viável? O colapso de seus dois principais bancos, o HBOS e o RBS, convertidos em propriedade britânica (sua atual administração já disse que irá se mudar para o sul, em caso de vitória do voto “SIM“) sugerem que há problemas sérios lá. Portanto, há pouca indústria e apenas pequenos bancos. No entanto, há muitos de advogados.

Por último, é preciso ver a coisa de um modo muito superficial para tomar uma posição pelo “SIM“, porque o establishment capitalista britânico toma uma posição pelo “NÃO“. É preciso fazer uma análise concreta de cada caso. Trotsky se opôs à separação da Catalunha da Espanha, assim como também se opuseram a burguesia espanhola e do ditador Francisco Franco. [12]

MAIS UMA VEZ SOBRE AS QUESTÕES OPORTUNAS

POSTAS PELA REVOLUÇÃO ESPANHOLA

Abaixo um trecho do texto de Trotsky sobre essa questão na Espanha em 1931:

1) Para permitir que o nacionalismo pequeno-burguês se disfarçar sob a bandeira do pseudo-comunismo, ao mesmo tempo, para dar um golpe traiçoeiro a vanguarda do proletariado e destruir o significado progressista do nacionalismo pequeno-burguês;

2) Qual o significado do programa de separatismo? – O desmembramento político e econômico da Espanha, ou em outras palavras, a transformação da Península Ibérica em uma espécie de península balcânica, com estados independentes divididos por barreiras alfandegárias, e com os exércitos independentes conduzindo guerras hispânicos independentes. É claro que o sábio Maurín vai dizer que ele não quer isso. Mas os programas têm sua própria lógica, algo que Maurín não tem;

3) Os trabalhadores e camponeses de várias partes da Espanha estão interessados na divisão econômica da Espanha? De modo algum. É por isso que para identificar a luta decisiva pelo direito à autodeterminação com propaganda para o separatismo significa realizar uma tarefa fatal. Nosso programa está por uma a federação hispânica com a manutenção indispensável da unidade econômica. Nós não temos nenhuma intenção de impor esse programa sobre as nacionalidades oprimidas da Espanha com a ajuda dos braços da burguesia. Neste sentido, estamos sinceramente para o direito à autodeterminação. Se Catalunha se separa, a minoria comunista da Catalunha, bem como de Espanha, terá que realizar uma luta pela federação;

4) Nos Balcãs, a velha socialdemocracia anterior a I Guerra já apresentava a consigna da federação balcânica democrático como o caminho para sair do hospício criado pelos Estados separados. Hoje, a consigna comunista nos Balcãs é a da Federação Balcânica Soviética (a propósito, o Comintern adotou o slogan da Federação Balcânica Soviética, mas, ao mesmo tempo, rejeitou este slogan para a Europa!). Como podemos, sob estas condições, adotar o slogan da balcanização da península espanhola? Não é monstruoso?” [13]

Trotsky ‘Aprender a Pensar faz este ponto contra argumento inimigo do meu inimigo:

“Vamos supor que a amanhã é deflagrada uma rebelião na colônia francesa da Argélia sob a bandeira da independência nacional e que o governo italiano, motivado por seus próprios interesses imperialistas, se prepara para enviar armas aos rebeldes. Qual deve ser a atitude dos trabalhadores italianos neste caso? Criei propositadamente um exemplo de rebeldia contra um imperialismo democrático, com a intervenção do lado dos rebeldes de um imperialismo fascista. Neste caso, devem os trabalhadores italianos boicotar o envio de armas para os argelinos? Deixemos que todos os ultraesquerdistas ousem responder a essa pergunta de forma afirmativa. Todo revolucionário, juntamente com os trabalhadores italianos e os rebeldes argelinos, repudiariam com indignação tal resposta. Mesmo se uma greve geral marítima eclodisse na Itália fascista, simultaneamente [à revolta argelina], mesmo neste caso, os grevistas deveriam fazer uma exceção em favor dos navios que transportam ajuda aos escravos coloniais em revolta; caso contrário, eles não seriam mais do que os miseráveis sindicalistas e não revolucionários proletários “[14]

No caso de vitoria do “SIM”, advogamos uma Federação Socialista da Grã-Bretanha e uma Irlanda Socialista Unida.

A HISTÓRIA DA VANGUARDA ESCOCESA

DA CLASSE OPERÁRIA BRITÂNICA

O primeiro grande movimento da classe trabalhadora foi o cartismo, na Inglaterra (1838-1848) e a classe trabalhadora escocesa esteve na linha de frente desse movimento. Na verdade, muitos dos principais líderes como Fergus O’Connor e Bronterre O’Brien eram irlandeses, mas esse movimento teve pouco efeito na Irlanda, embora os trabalhadores irlandeses na Grã-Bretanha participassem como parte da classe operária inglesa:

“A depressão de 1842 provocou uma onda de greves, com os trabalhadores respondendo aos cortes salariais impostos pelos empregadores. A demanda da implementação da Carta logo foi incluída ao lado de demandas pela reposição das perdas salariais. A população trabalhadora entrou em greve em 14 municípios ingleses e oito municípios escoceses, principalmente na região de Midlands, Lancashire, Cheshire, Yorkshire, e na região de Strathclyde da Escócia. Espontaneamente os grevistas decidiram suspender os trabalhos até que os salários fossem reajustados e “até que a Carta do Povo se tornasse a lei do país.”

A Escócia participou na vanguarda das Grandes Revoltas de 1911-1914; uma de suas ações mais importantes foi a greve de 11 mil mulheres trabalhadoras na fábrica da máquina de costura Singer em Clydebank, em 1911. Este movimento assentou as bases para o movimento Red Clydeside e para a ascensão da militância sindicalista no pós-guerra até a década de 1930. Toda a grande Glasgow, ao longo das margens do Clyde de Clydebank, de Greenock, Paisley e outras cidades participaram. Esta é uma parte muito importante da história de toda a classe trabalhadora britânica. Em contraste, o Grande Boicote de Dublin e a Greve Geral de 1913, foram traídos pelos sindicalistas britanicos e por sua ala esquerda, Benn Tillett, em nome da defesa das bases do império, provocando inevitavelmente a futura luta sangrenta pela autodeterminação irlandesa em 1916. [15]

Foram rompidos os laços de confiança entre a classe trabalhadora irlandesa e os representantes das organizações do movimento operário inglês, cujos líderes optaram pela defesa do Império contra a solidariedade da classe trabalhadora. Essa solidariedade pode agora só pode ser reestabelecida através de separação e em razão da plena soberania nacional, o que torna a igualdade a sua primeira premissa. Os problemas sindicais britânicos entre a Escócia e a Inglaterra/País de Gales nunca adquiriram esse caráter, porque não era essa a situação objetiva desses problemas. A burguesia da Escócia não eram uma “classe semi-oprimida e semi-opressora“, como Trotsky descreveu a burguesia colonial e semi-colonial; era e segue sendo uma burguesia imperialista.

A história da classe operária escocesa desde então tem sido a de dirigir toda a classe trabalhadora britânica. Eles lutaram na greve geral de 1926, nas grandes batalhas industriais do início dos anos 70, que derrubou o governo Heath em 1974 e na greve dos grandes mineradores de 1984-5. Os sindicatos especificamente escoceses praticamente desapareceram. Greves nacionais fazem parte da luta de classes britânica e a classe trabalhadora escocesa tem sido a vanguarda da classe operária inglesa.

Jimmy Reid, abaixo à direita da famosa confusão - “Ele não pode ser

Lenin – Lenin está morto”. Educado pelo stalinismo, Reid deu os primeiros

passos traiçoeiros para afastar a classe operária escocesa para longe

de sua irmã ao sul da fronteira. A classe dominante dos EUA

eram muito grata a ele que. Quando Reid aceitou

tomar posse na Reitoria da Universidade Caledonian de Glasgow,

o New York Times publicou na íntegra seu famoso discurso de 1972,

descrevendo-o como “o maior discurso desde do discurso

do presidente Lincoln em Gettysburg “

O nacionalismo escocês expandiu sua influencia sobre a classe trabalhadora escocesa em consequência da disputa do Estaleiro Upper Clyde (1971-2), onde Jimmy Reid se esforçou desertou da solidariedade nacional (e muito menos internacional) dos trabalhadores a favor da defesa da capitalismo na Escócia. Traindo o movimento operário escocês em favor de um partido de direita [15] e realizando um giro falso à esquerda baseado no nacionalismo econômico da aristocracia operária defendido pelo Partido Comunista, movimento expresso por Jimmy Reid com a demanda reacionária “O petróleo é da Escócia” da campanha do SNP. Com isso, ele conquistou 7 assentos, na primeira, e 11, na segunda eleição geral, em 1974, para o SNP. 30,4% foi sua maior votação na disputa pelas cadeiras de Westminster; a segunda maior foi de 19,9% na eleição de 2010.

É emblemático que todas as forças que agora defendem o “SIM” apoiaram esta traição fundamental, Reid, que depois se tornou um duro oponente da greve dos mineiros de 1984-5, em nome da classe capitalista escocesa e britânica. Uma genuína organização trotskistas como o Socialist Fight fez uma analise muito diferente em nosso artigo sobre o resultado da disputa Grangemouth:

“O QUE HAVIA DE ERRADO COM O

TRABALHO DE JIMMY REID NA UCS?

O Socialist Appeal, o Partido Socialista e o SWP apresentar Jimmy Reid como um exemplo de dirigente sindical. Rob Sewell afirma: “O exemplo da UCS, em 1971, onde os trabalhadores organizaram um “trabalho interno”, se tornou uma causa célebre e uma inspiração para todos aqueles trabalhadores que lutam para frear os ataques“. O Partido Socialista e o SWP apontam o “trabalho interno” como o caminho correto. Na verdade, isso não passava de uma defesa política do capitalismo como foi analisado em nossa revista SF n º 5, Jimmy Reid disse: “Ele não pode ser Lenin – Lenin está morto“. [16] Reid aceitou a Reitoria da Universidade de Caledonian em Glasgow no discurso famoso de 1972 Rat Race. O New York Times publicou o discurso na íntegra e descreveu-o como “o maior discurso desde o discurso de Gettysburg do presidente Lincoln”.

Rejeitar os valores e a falsa moralidade que fundamentam estas atitudes. A corrida de ratos é para ratos. Nós não somos ratos. Nós somos seres humanos. Devemos rejeitar as pressões insidiosas na sociedade, que enfraquecem as faculdades críticas a tudo o que está acontecendo ao seu redor, que silenciam prudentemente diante da injustiça para que não sejam ameaçadas suas chances de promoção e autopromoção. É assim que tudo começa e você sabe onde você acabará como alguém totalmente integrado ao conjunto dos ratos. O preço é muito alto. Ela implica na perda de sua dignidade e de espírito humano. Ou, como disse Cristo, “De que vale ao homem ganhar o mundo inteiro e perder sua alma?

Como Tony Fox comentou sobre isso:

“Sua mensagem para os alunos da Universidade Presbiteriana Caledonian de Glasgow, preocupado com uma radicalização da classe trabalhadora, alertava que a corrida de ratos pode ser superada pela limpeza de nossas almas da ganância e do mal e essa limpeza irá garantir seus privilégios contra a ameaça da revolução socialista. É por isso que a admoestação moral de Reid caiu tão bem como uma luva para o establishment do capitalismo e seus defensores. Ele se fundamentava nas banalidades do sermão da Montanha de Jesus Cristo, entregue (que mais tarde foi usado para destruir de forma messiânica todo o conteúdo igualitário e de oposição do cristainismo) para proteger o Império Romano contra a iminente Grande revolta judaica liderada pelos zelotes revolucionários (66-70 dC). Sua função era afastar as ameaças de revolução articulada naqueles dias principalmente pelos fanáticos trotskistas do SLL de Gerry Healy”.

O artigo termina com a seguinte observação:

“Finalmente vamos sintetizar a questão na observação de um trabalhador estaleiro que confundiu o nome de John Lennon, quando foi anunciado que ele tinha doado um cheque 5.000 para a luta dizendo: “Ele não pode ser Lenin – Lenin está morto“. Esse trabalhador sabia claramente quem era Lenin, ele sabia que seu espírito estaria ao seu lado na luta de classes e ele tinha discutido Lenin com colegas de trabalho, sem dúvida, como resultado das reuniões que assistiu do PCGB (Partido Comunista da Grã Bretanha, CPGB, em inglês).

Lenin estava de fato ‘morto’ para o PCGB mesmo que o PC ainda usasse o nome dele, com uma história de cerca de 40 anos de classe de traições em seu currículo ele está claramente morto “para os líderes sem consciência de classe suficiente para reconhecer que estavam errados apoiando o que Jimmy Reid fez e disse em 1971-2. Mas estamos confiantes, ainda há bastante que compreender da herança revolucionária de Lenin e Trotsky para construir um verdadeiro partido revolucionário leninista-trotskista, aprendendo as lições de hoje “”. [17]

Concluímos o nosso artigo sobre a traição aos trabalhadores de Grangemouth e aos trabalhadores dos correios da Royal Mail por Len McCluskey da Unite e Billy Hayes da Communication Workers Union rechaçando o nacionalismo econômico que também serve como uma conclusão adequada para este artigo :

Len McCluskey do Unite defende “postos de trabalho escoceses

para os trabalhadores escoceses” traindo os trabalhadores de toda a ilha.

“É evidente que muito mais concessões terão de ser feitas em Grangemouth para proteger os postos de trabalho ‘britânicos’ e, uma vez que a capacidade total da ‘nova onda de refinarias gigantes na Ásia e no Oriente Médio entrar em operação em 2017’, a planta provavelmente vai ser fechada de qualquer maneira. O nacionalismo econômico de Bob Crow e a eurofobia é uma ameaça premente ao todos os movimentos da classe trabalhadora e aqueles que são internacionalistas e revolucionários devem conduzir uma luta política forte contra ele. McCluskey em Grangemouth e Billy Hayes no Royal Mail, em conjunto com Ed Miliband, aplicaram um golpe traiçoeiro na única força que pode resolver esta crise; a força organizada da classe trabalhadora internacional liderada por uma IV Internacional reconstruída. Como trotskistas nós não nos deixamos abater diante desta crise global, mas nos voltamos para a classe trabalhadora com energias renovadas em meio a necessidade urgente por construir a direção que vai levar adiante a luta para construir as fileiras do movimento Grass Roots dentro da Unite [principal Sindicato britânico] e em qualquer outro sindicato para derrubar esta burocracia traiçoeira e substituí-la por dirigentes militantes revolucionários que irão enfrentar a tarefa central de derrubada das relações de propriedade capitalistas em uma escala global”. [18]

Notas:

[1] VI Lenin, o Direito das Nações à Autodeterminação, de fevereiro a maio 1914 http://www.marxists.org/archive/lenin/works/1914/self-det/ch04.htm

[2] Carta de Rob Brown na London Review of Books, maio de 2010: http://www.lrb.co.uk/v32/n09/letters

[3] VI Lenin, observações críticas sobre a questão nacional, 1913, https://www.marxists.org/archive/lenin/works/1913/crnq/6.htm

[4]http://www.historyworld.net/wrldhis/PlainTextHistories.asp?groupid=2925&HistoryID=ac70&gtrack=pthc#ixzz3C54aMmRA

[5] A história econômica da Escócia – Wikipédia, http://en.wikipedia.org/wiki/Economic_history_of_Scotland

[6] Green Left Weekly, exército britânico aterroriza cidade irlandesa, 01 de julho de 1992, https://www.greenleft.org.au/node/3539

[7] Partido Unionista (Escócia), http://en.wikipedia.org/wiki/Unionist_Party_%28Scotland%29

[8] O ex-líder do Partido Socialista Escocês promove nacionalismo na campanha do referendo, por Steve James e Jordan Shilton, 5 de julho de 2014, http://www.wsws.org/en/articles/2014/07/05/sher-j05.html . Isso não significa que apoiamos a posição WSWS / SEP sobre a autodeterminação, em geral, que nega esse direito, até mesmo para as nações oprimidas, como os tâmeis no Sri Lanka.

[9] Na verdade, eles mudaram de anti-OTAN a pró-OTAN. “No Nukes, No NATO” foi a 30 anos, elemento central da política SNP de seu passado esquerdista CND, mas a derrota da esquerda conduzida por Margo MacDonald impulsionou um giro à direita no SNP no meio de sua trajetória. Salmond e seu vice John Swinney conseguiu impor um novo curso através de uma mudança de linha na conferência de 2012 do partido deixando grande parte da base furiosa com o que (e com razão) viu como uma traição.

[10] Entrevista: Não marchar com os nacionalistas, http://weeklyworker.co.uk/worker/1011/interview-dont-marcha com-nationalists/

[11] John Wight, a independência escocesa divide a sociedade acerca da monarquia, http://www.huffingtonpost.co.uk/john-wight/scottish-independence-obscures-real-divide-_b_5714057.html

[12] Leon Trotsky, “A questão nacional da Catalunha”, (Julho de 1931), http://www.marxists.org/archive/trotsky/1931/07/spain01.htm

[13] Leon Trotsky, aprender a pensar, uma sugestão amigável para Certas ultra-esquerdistas, (maio de 1938), ttp: //www.marxists.org/archive/trotsky/1938/05/think.htm

[14] Socialist Fight, da Irlanda do Norte e do Partido Socialista; “Ben Tillett, os estivadores líder que Larkin tinha considerado um torcedor do companheiro”, empunhou a faca que deu o golpe fatal “. Esta decisão final de não apoiar os trabalhadores Dublin levou à derrota e intimidação com todo o peso do Estado usado contra membros do ITGWU “. Http://socialistfight.com/tag/dublin/

[15] Scottish Labour detém 37 dos 129 lugares no Parlamento escocês, 41 dos 59 lugares escoceses na Câmara dos Comuns e 2 dos 6 bancos escoceses no Parlamento Europeu. O SNP atualmente possui 69 assentos no Parlamento escocês, 6 de 59 lugares escoceses na Câmara dos Comuns e 2 de 6 bancos escoceses no Parlamento Europeu.

[16] Socialist Fight No 5. P. 9 Jimmy Reid: “Não pode ser Lenin – ele está morto”, http://socialistfight.files.wordpress.com/2013/08/socialist-luta-no-5.pdf

[17] Socialist Fight: a direção revolucionária, Grangemouth e o CWU, http://socialistfight.com/tag/rob-sewell/

[18] Ibid.

Defining fascism: some notes on the Marxist interpretation

Originally posted on Hatful of History:

This post was inspired by a post on Andrew Zammit’s blog on defining right-wing radicalism and subsequent twitter discussions on the term ‘fascism’. Most of this post was written during my PhD days (2004-2007), but I have updated a few things. I still think the definition offered by Renton and Sparks is the most concise, which captures the synthesis in fascism of a reactionary ideology and extra-parliamentary (and predominantly violent) practice. But then again, as Derrida and many others have argued, trying to define something rests upon the definitions of other things and all definitions are ultimately unsatisfactory…

In 1998, the Journal for Contemporary History published two articles on Oswald Mosley and his fascist parties, the inter-war British Union of Fascists and the post-war Union Movement. One of these articles was by Richard C. Thurlow (1998: 253), who argued that ‘despite Mosley’s personally catastrophic political failure, and the often unpleasant…

View original 2,673 more words

Is $15/hr enough? What do we say to working people?

socialistfight:

Good post from J leslie in Philly:

Originally posted on Red Philly:

“The Communists fight for the attainment of the immediate aims, for the enforcement of the momentary interests of the working class; but in the movement of the present, they also represent and take care of the future of that movement.” Marx and Engels, The Communist Manifesto

“Let us not have any illusions. This is class struggle. Business will fight back. They have tens of millions of dollars that they can pour into a counterattack overnight and they can kill this entire thing if we let them…” Seattle City Council member, Kshama Sawant speaking about the fight for $15. 

72630e65573efe85458664e8e047b4cc

Is $15/hr enough?  What do we say to working people? (J Leslie)

I posted the following on fakebook:

“”If you work 40 hours a week, you should not live in poverty here in Connecticut or other states,” Obama said. (Speaking at Central Connecticut State University)

Finally, Obama said something true. Too bad…

View original 1,372 more words